Número de famílias endividadas subiu para 62,2% em novembro, diz CNC

Número de famílias endividadas subiu para 62,2% em novembro, diz CNC

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) captou a quinta alta consecutiva do porcentual de famílias endividadas, de 62,2%, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) relativa ao mês de novembro, divulgada nesta segunda-feira (4/12). Em comparação a outubro, houve alta de 0,4 ponto porcentual. Em outubro, a taxa foi de 59,6%.

Apesar de ter registrado mais famílias endividadas, a proporção das que possuem contas em atraso diminuiu, atingindo 25,8% do total ante 26% em outubro. Essa é a segunda queda mensal consecutiva, após o indicador ter alcançado o maior patamar do ano em setembro (26,5%). Comparado a novembro de 2016, no entanto, houve alta de 1,4 ponto porcentual.

A proporção de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes ficou estável em 10,1% entre outubro e novembro, mas apresentou alta em relação aos 9,5% de novembro de 2016.

“A taxa de desemprego ainda bastante alta ajuda a explicar a dificuldade das famílias em pagar suas contas em dia e o pessimismo elevado em relação à capacidade de pagamento”, afirma Marianne Hanson, economista da CNC.

Do total de entrevistados, 14,6% declararam estar muito endividadas, o que indica estabilidade em relação ao mês anterior. Na comparação anual, houve alta de 0,1 ponto porcentual. O porcentual de famílias que se declararam pouco endividadas teve leve alta na comparação mensal, tendo passado de 24,5% para 24,6% do total de entrevistados. Em relação ao mesmo período de 2016, também ocorreu aumento, de 0,6 ponto porcentual.

O tempo médio de atraso para o pagamento de dívidas ficou em 64,2 dias em novembro, superior aos 63,3 dias de novembro de 2016. Em média, o comprometimento com as dívidas foi de 7,1 meses, sendo que 32,3% das famílias possuem dívidas por mais de um ano. Entre as endividadas, 23,8% afirmam ter mais da metade da sua renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas.

Para 76,9% das famílias que possuem dívidas, o cartão de crédito permanece como a principal forma de endividamento, seguido de carnês (16,7%) e financiamento de carro (10,4%).

Os dados da Peic são coletados em todas as capitais dos estados e no Distrito Federal, com cerca de 18.000 consumidores.

Compartilhe
Previous Maduro cria moeda virtual para furar bloqueio financeiro
Next Rui autoriza início das obras do Hospital Metropolitano em Lauro de Freitas

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Deputado Uldurico Júnior afirma nunca ter cogitado a possibilidade de sair do PV

Após rumores de que estaria articulando uma possível ida para o Podemos (ex-PTN), o deputado federal Uldurico Junior negou com veemência os rumores e atribuiu a informação à pessoas interessadas

Notícias

Olho de Tandera: Farra dos comissionados, vereador de Salvador que morde a língua outro só pensa em Brasília e muito mais

Farra dos comissionados em São Francisco do Conde O prefeito de São Francisco do Conde, Evandro Almeida(PT), segue acelerando quando o assunto é servidores comissionados. Segundo o portal da Transparência,

Notícias

PGR contesta constitucionalidade da terceirização aprovada no Congresso

A denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção não foi a única ofensiva do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao governo nesta semana. Também na segunda-feira, ele enviou ao