Marinha da Argentina desiste de busca por sobreviventes em submarino

Marinha da Argentina desiste de busca por sobreviventes em submarino

A Marinha da Argentina informou nesta quinta-feira (30) que continuará com as buscas pelo submarino ARA San Juan, desaparecido há 15 dias, mas não com o resgate. O tempo de possível sobrevivência dos 44 tripulantes que estavam na embarcação chegou ao dobro do previsto.

“A integração dos recursos SAR [busca e resgate] disponíveis nacionais, internacionais, estatais e particulares em rede de cooperação destinada à proteção de vidas humanas não encontrou evidência alguma do naufrágio nas áreas exploradas”, afirmou o capitão e porta-voz da Marinha, Enrique Balbi.

Questionado se, desta forma, as autoridades descartam encontrar sobreviventes, Balbi ressaltou que “até que não haja a localização” do submarino, não será dada uma “confirmação categórica” a respeito. Alertou, no entanto, que “já se passou o dobro do tempo das possibilidades de resgatá-los”.

O Ministério da Defesa e a Marinha continuarão agora com a fase seguinte, que compreende a busca do San Juan no fundo do Oceano Atlântico.

 

Compartilhe
Previous Itiruçu: Polícia Militar apreende maconha transportada em ônibus, na BA-250, e três são presos
Next Desemprego levará 2 anos para voltar à taxa de 2016

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Municípios

Homem é assassinado a tiros em Feira de Santana

Diego da Silva Lima, 29 anos, foi assassinado a tiros no final da tarde deste sábado (15), na rua Patinho de Minas Gerais, bairro Campo Limpo, em Feira de Santana.

Mundo

Piloto dos EUA derruba drone que levava armas na Síria

Um piloto americano derrubou uma aeronave não tripulada (drone) que atacava as forças apoiadas pelos Estados Unidos no sudeste da Síria, nesta quinta-feira (8/6) informaram autoridades militares em Washington. O

Política

Maia: não gosto do Supremo decidindo pelo Parlamento

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se disse contrário a que o Supremo Tribunal Federal (STF) decida sobre o fim das coligações proporcionais. “Não gosto do Supremo decidindo pelo