Tribunal absolve irmão de ex-ministro Negromonte

Tribunal absolve irmão de ex-ministro Negromonte

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região absolveu nesta segunda-feira, 27, o empresário Adarico Negromonte Filho, irmão do ex-ministro e atual conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia, Mário Negromonte (PP-BA). Ele havia tido a condenação confirmada pela 8ª Turma da Corte, que julga recursos contra decisões do juiz federal Sérgio Moro. Ele impetrou embargos infringentes à 4ª Seção Judiciária e obteve a absolvição. Negromonte foi condenado a 3 anos e 6 meses por suposta participação em organização criminosa. As informações foram divulgadas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

A 4ª Seção do TRF4 ainda diminuiu a pena de Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca, de 13 anos e 3 meses para 8 anos e 4 meses de reclusão. Ele é apontado como o transportador de propinas do doleiro Alberto Youssef.

Careca e Adarico tiveram a condenação confirmada pelo tribunal em abril deste ano. Oliveira, que transportava propina para Youssef, foi condenado por lavagem de dinheiro à pena de 13 anos, 3 meses e 15 dias. Negromonte, condenado por participação em organização criminosa, ficou com pena de 3 anos e 6 meses de reclusão em regime inicial aberto.

No recurso, Negromonte pediu a prevalência do voto do desembargador federal João Pedro Gebran Neto, que o absolvia por insuficiência de provas. A relatora do processo na 4ª Seção, desembargadora federal Cláudia Cristofani, deu provimento ao recurso, entendendo que as provas são frágeis, devendo prevalecer o princípio in dubio pro reu. “O fato de o agente haver atuado como ‘mula’ no transporte dos valores não pode – como numa relação, pura e simples, de causa e efeito – levar à conclusão de que ele seria integrante de organização criminosa”, frisou a magistrada.

Oliveira teve confirmado o delito de lavagem de dinheiro e foi inocentado do crime de participação em organização criminosa. Ele queria a prevalência do voto do desembargador federal Leandro Paulsen, que considerava atípica sua conduta no delito de lavagem de dinheiro, sob o entendimento de que havia apenas ilações contra ele. Para a relatora, entretanto, ao contrário de Negromonte, “Jayme não era mero office-boy de Alberto Youssef, mas era convocado quando as operações demandavam mais cautela, quando envolviam cifras mais elevadas, certamente por exercer a função de policial federal”.

Quanto ao segundo delito, Oliveira pedia a prevalência do voto absolvitório de Gebran. Nesse ponto, o pedido foi julgado procedente pela desembargadora. Segundo Cláudia, “o fato de Oliveira relacionar-se, quase que exclusivamente, com Alberto Youssef não revela sua pertinência ao grupo criminoso, tampouco o conhecimento de que estaria agindo vinculado à estrutura criminosa”.

Dessa forma, Negromonte foi absolvido e Oliveira teve a pena diminuída para 8 anos e 4 meses de reclusão.

Compartilhe
Previous Oposição: “Não tem diálogo nenhum sobre reforma da Previdência”
Next Mais de 85% já renovaram contratos do Fies; prazo termina quinta-feira

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

ACM Neto: “Missão nos EUA trará bons frutos para a Educação municipal”

Em busca de inovação e soluções para o aprimoramento da qualidade da educação pública de Salvador, o prefeito ACM Neto e a comitiva que compõe a missão municipal nos Estados

Notícias

Apenas uma vítima do naufrágio permanece em UPA de Salvador

Apenas uma vítima do naufrágio na Baía de Todos os Santos segue na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) dos Barris. O quadro de saúde é estável e a alta deve

Notícias

Supremo mantém proibição de telemarketing nas eleições

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (3) manter a proibição do serviço de telemarketing nas eleições. Por maioria, os ministros decidiram manter a validade da Resolução 23.404/2014, da Justiça