Camila Pitanga fala sobre gênero e raça: “Não vamos nos calar”

Camila Pitanga fala sobre gênero e raça: “Não vamos nos calar”

“Nós não vamos nos calar”, afirmou a atriz e diretora carioca Camila Pitanga na noite desta quinta-feira (23), na abertura da última edição de 2017 do projeto ‘Mulher com a Palavra’, no Palco Principal do Teatro Castro Alves (TCA), em Salvador. A declaração ocorreu em apoio a uma professora da Universidade Federal da Bahia (Ufba) que sofreu ameaça de morte por desenvolver pesquisa sobre gênero. Engajada, a atriz também é embaixadora nacional da ONU Mulheres e membro da ONG Humanos Direitos.

Esta edição do projeto, que é uma realização do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), teve como tema ‘Negra, Sim!’. “Eu acho que falar sobre a nossa autoestima, o nosso orgulho negro, é um excelente ponto de partida. E não há lugar mais acolhedor, maior celeiro desse tipo de sentimento que a Bahia. A ancestralidade, toda a luta, a resistência, o ativismo feminino e negro que existem aqui são disseminados em várias expressões, seja pela maneira de se vestir, seja pelo aspecto da religião, dança e cultura que transbordam na Bahia. Tudo isso trata, sim, sobre ser negra e ter muito orgulho disso”, disse Camila.

Mediado pela jornalista Vânia Dias, apresentadora e repórter do programa Soterópolis, revista de arte e cultura da TVE Bahia, o bate-papo teve ingressos esgotados e trouxe a questão de gênero para o mês da Consciência Negra. “É muito importante a gente debater esse tipo de conteúdo, principalmente no Novembro Negro, porque ainda estamos representando uma condição de exceção. Que a gente tenha mais e novos exemplos positivos de negritude”, destacou a jornalista.

Durante o bate-papo, Camila, que tem mais de 20 anos de carreira, com passagens pelo teatro, TV e cinema, relembrou a carreira, militância social e vida pessoal. “Eu tenho esse fenótipo, mas claro que, infelizmente, essa falsa democracia racial faz com que eu tenha uma certa proteção. Mas isso não blinda o meu olhar para esse racismo que está aí”, explicou a atriz.

Empoderamento feminino

O projeto encerra o segundo ano de existência registrando a participação de nomes como Taís Araújo, Pitty e Marina Lima. “É um projeto que tem atingido um público presente de até 12 mil pessoas, além do que se atinge com a internet e com a TV, através das transmissões ao vivo da TVE. A gente estima que, a cada edição, são 60 mil pessoas atingidas somente na televisão. É um espaço enorme de sensibilização e empoderamento das mulheres”, ressaltou a secretária da SPM, Julieta Palmeira.

O ‘Mulher com a Palavra 2017’ foi realizado em parceria com a Maré Produções Culturais, com patrocínio da Bahiagás e Instituto Avon. As secretárias de Promoção da Igualdade Racial e do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Fabya Reis e Olívia Santana, respectivamente, também estiveram presentes no evento desta quinta (25).

Compartilhe
Previous Toffoli suspende julgamento sobre restrição do foro privilegiado
Next Feira de Santana: Prefeitura dará até 100% de desconto para quitação de débitos

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano 0 comentários

Mendonça Filho defende urgência da reforma do ensino médio

O ministro da Educação, Mendonça Filho, aproveitou o anúncio da inclusão de escolas de Pernambuco no Programa de Fomento à implementação da Escola em Tempo Integral para rebater críticas à

Cotidiano

Rui Costa anuncia edital do Hospital Metropolitano

O Governo do Estado publicou na edição do Diário Oficial desta sexta-feira (19) o edital para construção do Hospital Metropolitano, que será construído no município de Lauro de Freitas, ao

Mundo

Enfermeira mata paciente de 86 anos ao injetar ar nas veias dela

Um caso chocou os moradores da cidade de Alcala de Henares, na Espanha. Uma enfermeira é acusada de matar uma paciente de 86 anos ao injetar ar nas veias dela.