Contrariando Maia, Temer finalmente assina MP da reforma trabalhista

Contrariando Maia, Temer finalmente assina MP da reforma trabalhista

No fim da tarde desta terça-feira (14/11), contrariando o que queria o presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM RJ), enfim, o presidente Michel Temer assinou a medida provisória (MP) que faz alterações em pontos conflitantes da reforma trabalhista. A MP foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

A decisão do peemedebista se deu depois de reunião durante a tarde com Maia. Na ocasião, Temer explicou ao deputado federal que não poderia romper com a promessa feita em julho ao senadores governistas em troca da aprovação da reforma. Ou seja, ele precisava modificar os termos polêmicos, como, a permissão para o trabalho de gestantes em locais insalubres, via MP.

Logo depois da reunião, o presidente do Senado Eunício Oliveira (PMDB-CE), em entrevistas, comemorou a decisão do Palácio do Planalto. “Ele (Maia) foi convencido de que havia um acordo para que fosse uma medida provisória”, completou.

Entenda
Mais cedo, Maia havia dito que a MP irá enfraquecer a lei, por isso, lutava para que as modificações viessem via projeto de lei. “Óbvio que vou pautar o acordo que o presidente fez com o Senado Federal, mas não acho justo. Encaminhá-la enfraquece a lei que foi sancionada”.

Em vigor desde o último sábado (11), a reforma trabalhista altera mais de 100 pontos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). A principal mudança é a prevalência do negociado sobre o legislado: acordos firmados entre patrões e funcionários passam a ter mais força do que a legislação.

A nova legislação, sancionada em 13 de julho por Michel Temer (PMDB), dá previsão legal para que empresas e colaboradores firmem convenções coletivas modificando aspectos trabalhistas, como férias, horas extras, jornada de trabalho, entre outros. Esses acordos prevalecerão sobre a legislação vigente. Regras previstas pela Constituição Federal, por outro lado (salário mínimo, 13º salário e FGTS), continuam garantidas e não podem ser objeto de negociação.

Compartilhe
Previous Na COP 223, Lídice anuncia que ministro garante R$ 800 milhões para revitalização do rio São Francisco
Next Lewandowski devolve à PGR delação que atinge Cabral e Pezão

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Cade diz ser equivocada delação de Saud sobre favorecer empresa da JBS

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) divulgou nota hoje (20) em que diz ser equivocada a informação de Ricardo Saud, ex-diretor de Relações Instituições da J&F, prestada em delação

Mundo

Venezuela: manifestantes atiram frascos com fezes em soldados; mais dois morrem

Jovens manifestantes venezuelanos lançaram garrafas e sacos com fezes contra soldados, que responderam com gás lacrimogêneo, nessa quarta-feira (10) para bloquear a mais recente marcha em mais de um mês

Política

Bacelar diz que Lei de Responsabilidade Educacional não foi criada para punir

Para desmistificar a Lei de Responsabilidade Educacional, o relator do projeto, deputado federal Bacelar (Podemos-BA), retomou o debate sobre o tema na Câmara, nesta quarta-feira (16). O parlamentar apresentou aos