Nomes para a cúpula da Polícia Federal já estão definidos

Nomes para a cúpula da Polícia Federal já estão definidos

O atual diretor da Divisão de Combate ao Crime Organizado, o delegado Maurício Leite Valeixo, será nomeado chefe da Superintendência da Polícia Federal no Paraná (SRPR). A troca é estratégica e faz parte das mudanças que devem ocorrer na cúpula da PF com a nomeação de Fernando Segóvia para a direção-geral da instituição.

Valeixo manteve proximidade com o juiz Sergio Moro ao longo dos trabalhos envolvendo a maior investigação de corrupção na história do país. A ida dele para despachar em Curitiba é uma sinal de boa vontade do novo diretor com a Lava Jato. A indicação de Segóvia para o cargo tem sido alvo de desconfiança sobre a linha que ele adotará em relação às investigações de corrupção. Há uma ligação conhecida entre ele e figurões do PMDB, partido do presidente Michel Temer.

Segóvia já fechou a lista com os nomes que assumirão a cúpula da instituição. Ex-secretário de Segurança do DF, Sandro Avelar vai ficar à frente da Direção Executiva (Direx) da PF, o segundo posto na hierarquia. Com a saída de Valeixo da Dicor, quem assume é o delegado Eugênio Ricas, atualmente secretário estadual de Controle e Transparência no Espírito Santo.

Haverá mudança também na Divisão de Inteligência (DIP), outra área considerada sensível na corporação. O posto será ocupado pelo delegado Cláudio Gomes. Ele é ex-corregedor-geral da PF e ex-adido da corporação em Lisboa, Portugal. O delegado substituirá Elton Roberto Manzke. Já o delegado Alfredo Junqueira vai para a diretoria de Administração e Logística Policial (Delog).

Um brasiliense na cúpula da PF
Junto à indicação de Sandro Avelar para assumir a Direção Executiva da PF vieram os rumores de que sua nomeação tinha essencialmente viés político. O delegado foi secretário de Segurança na gestão de Agnelo Queiroz (PT) durante período de três anos, entre 2011 e 2014. Filiado ao PMDB, a ligação de Avelar sempre foi muito mais próxima ao ex-vice-governador Tadeu Filippelli que a Agnelo. Nas últimas eleições, o policial chegou a sair candidato para a Câmara dos Deputados. Alcançou 21.888 votos.

Além do bom trânsito político, Avelar é muito amigo de Segóvia. No final dos anos 80, foram colegas no curso de Direito na Universidade de Brasília (UnB). Eram responsáveis pelo Centro Acadêmico e jogavam futebol juntos, no time da faculdade de Direito hábito que levaram para a PF.

Compartilhe
Previous Após polêmica sobre salário, Luislinda diz que 'é pobre'
Next Após dois anos sem reajuste, Bolsa Família terá aumento em 2018

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

Professor Desiderio toma posse como diretor geral do Instituto Anísio Teixeira

Professor da rede pública de ensino desde 1998, Desiderio Bispo de Melo tomou posse nesta sexta-feira (12), como diretor geral do Instituto Anísio Teixeira (IAT). Ele, que substitui Severiano Alves,

Cotidiano

Salvador recebe oficina do Projeto Ruas Completas promovida pela WRI e FNP

A Prefeitura de Salvador, por meio da Secretaria Municipal de Mobilidade (Semob), recebeu nesta quinta-feira (10) a oficina do projeto “Mobilidade Urbana ativa, inclusiva e segura: projeto Ruas Completas” uma

Notícias

Huck diz que desistir de eleição trouxe “mistura de luto e alívio”

Em uma aula aberta na Casa do Saber, na  noite dessa quinta-feira (7/12) o apresentador Luciano Huck afirmou que ter desistido de considerar uma candidatura presidencial trouxe “uma mistura de