Fachin reduz fiança de investigados no caso do ‘bunker’ de R$ 51 milhões

Fachin reduz fiança de investigados no caso do ‘bunker’ de R$ 51 milhões

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta segunda-feira, 13, reduzir a fiança de Gustavo Pedreira do Couto Ferraz e Job Ribeiro Brandão, investigados no caso do ‘bunker’ de R$ 51 milhões supostamente ligados ao ex-ministro Geddel Vieira Lima e ao deputado estadual Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

A fiança é para que eles possam continuar no regime de prisão domiciliar. A de Job Bradão já está paga. Caso Gustavo Ferraz não deposite, irá para a prisão preventiva. A decisão atende a pedido dos advogados, que tiveram parecer favorável da Procuradoria-Geral da República (PGR).

O ministro relator não respondeu neste momento a um pedido feito pela defesa de Geddel, que quer ter acesso ao número do telefone que fez a ligação anônima que resultou na ação da PF que apreendeu os R$ 51 milhões. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, neste ponto, se posicionou contra o pedido de Geddel.

Fachin disse que, na decisão desta segunda-feira, 13, se resumiria a analisar os pedidos de redução de fiança, “em razão do caráter urgente das questões que envolvem qualquer tipo de deliberação sobre o direito de locomoção”. A fiança de Gustavo Ferraz passou de 100 para 50 salários mínimos, e a de Job baixou pela segunda vez, agora de 50 salários mínimos para 10, com uma redução de 2/3 para Job devido à situação econômica ruim que o investigado demonstrou. O ministro deu 24 horas para Ferraz fazer o pagamento.

‘Repasse’

Fachin disse que Job Brandão conseguiu comprovar que os dados utilizados anteriormente para medir a capacidade dele de pagar a fiança não eram adequados. Um dos motivos que ele destacou foi o de que o investigado disse que repassava entre 70% e 80% do salário como assessor parlamentar aos dois peemedebistas da família Vieira Lima. Sobre isso, o ministro apontou que o tal repasse estaria “pendente de apuração”.

“Em razão da inexistência de patrimônio expressivo em seu nome, a despeito de ter ocupado cargos públicos durante 28 (vinte e oito) anos, bem como do noticiado repasse de verbas remuneratórias, ainda pendente de apuração”, disse Fachin. A procuradora-geral, Raquel Dodge, também tocou neste ponto, mas não pediu providências; apenas deixou em aberto a possibilidade de tomar medidas em relação à suspeita lançada sobre Lúcio Vieira Lima pelo ex-assessor.

“Em relação à afirmação de Job Ribeiro Brandão de que entregava 70% (setenta por cento) de suas remunerações ao deputado Lúcio Vieira Lima, a PGR adotará as providências necessárias no seu tempo certo”, disse Raquel Dodge.

Compartilhe
Previous Bolsonaro defende independência do Banco Central nas redes sociais
Next Salvador: Câmara discute orçamento municipal para 2018

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Lindbergh Farias assume liderança do PT no Senado

Depois de a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) ser eleita presidente nacional do PT no último fim de semana, também houve troca de cadeiras no Senado. A senadora deixou a liderança

Política

Aécio reafirma que não foi apresentada ‘nenhuma prova’ contra ele

Em nota divulgada na noite desta quinta-feira, 13, a assessoria do presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB), sustentou que não foi apresentada nas delações da Odebrecht “nenhuma prova”

Notícias

BNDES divulga lista de 22 filmes selecionados para receber R$ 15 milhões

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou hoje (22) os 22 filmes brasileiros vencedores do Edital de Cinema 2016. O banco vai distribuir R$ 15 milhões entre