Após escravidão, tucanos pede para Luislinda silenciar se quiser ficar no cargo

Após escravidão, tucanos pede para Luislinda silenciar se quiser ficar no cargo

O governo empurrou para o PSDB a decisão de manter ou não a ministra Luislinda Valois no cargo depois de ela ter protocolado documento no qual diz que faz trabalho escravo por não receber R$ 61 mil, soma de sua remuneração como ministra e aposentadoria como desembargadora, e pedir para furar o teto constitucional.

A ministra foi avisada por seus interlocutores no Partido da Social Democracia Brasileira, que fica se não falar mais no assunto. Ela foi indicada para o cargo pelo senador Aécio Neves (MG), de quem é admiradora, e é próxima do ministro Antonio Imbassahy, também baiano.

A insatisfação da ministra Luislinda com o seu contracheque já era conhecida pelos seus funcionários. Ela ameaçou demitir o servidor que a avisou que teria o salário glosado em R$ 27 mil devido a regra do abate-teto.

Conforme revelou a Coluna do site Estadão, por causa da lei a ministra só tem direito a receber por esse trabalho R$ 3.292 bruto.

“A Luislinda foi um dos únicos assuntos que unificaram os membros do PSDB. A bancada gostaria que ela reconhecesse o grave equívoco pedindo desculpas”, resumiu o DEPUTADO BETINHO GOMES (PSDB-PE), sobre o pedido da ministra para receber salário acima do teto.

Compartilhe
Previous Desafios para Formação Educacional de Surdos é o tema da redação do Enem 2017
Next Advogados avançam contra os abusos da Lava Jato

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Municípios

Congresso Estadual de Educação Inclusiva é lançado em Lauro de Freitas

Compartilhar experiências e avançar em propostas de políticas públicas para inclusão de pessoas com deficiência no sistema de ensino, numa perspectiva de empoderamento e emancipação, é o grande desafio do

Notícias

Janot denuncia Jucá por propina de R$ 150 mil da Odebrecht

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) na tarde desta segunda-feira, 28, uma denúncia contra o senador Romero Jucá (PMDB-RR) com base na delação da

Notícias

PEC do fim do foro privilegiado divide deputados antes mesmo de chegar à Câmara

A expectativa em torno da chegada da Proposta de Emenda à Constituição que prevê o fim do foro privilegiado (PEC 10/2013) na Câmara motivou reações diversas entre os deputados. A