Sócio do filho de Lula fechou negócio com a Vivo após reunião com então presidente

Sócio do filho de Lula fechou negócio com a Vivo após reunião com então presidente

O empresário Jonas Suassuna, sócio do filho do ex-presidente Lula, anunciou parceria comercial com a Vivo cinco meses após encontro do petista com executivos espanhóis da Telefônica, dona da operadora brasileira. O acordo incluiu a “Nuvem de Livros” entre os produtos oferecidos aos clientes da empresa de telefonia no Brasil. Na imagem acima em 2011 mostra Lula em Madri com Suassuna (2º da dir. para a esq.) e Lulinha (à dir.)Marco Aurélio Vitale, ex-diretor do grupo empresarial de Suassuna, afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo que ouviu de Kalil Bittar, também sócio de Fabio Luís Lula da Silva, o Lulinha, que o petista iria interceder junto aos executivos espanhóis em favor do negócio.

“O Kalil Bittar falou para o Jonas que o ex-presidente iria para a Espanha e que teria uma reunião com a presidência da Telefônica, e que seria falado da ‘Nuvem’ para viabilizar um negócio com a Vivo aqui. E foi o que aconteceu. Não tenho detalhes da reunião, mas ele [Jonas] volta já procurando o [Antônio Carlos] Valente [à época presidente da Telefônica no país]”, disse o ex-executivo do Grupo Gol, que atua nas áreas editorial e tecnologia e não tem relação com a companhia aérea.

O anúncio da parceria entre a Editora Gol e a Vivo ocorreu em setembro de 2011, durante a Bienal do Livro. Entre os dias 12 e 17 de abril daquele ano, Lula viajou à Espanha para, entre outros compromissos, quatro eventos com executivos da Telefônica Vivo almoço, jantar, palestra e uma visita à sede da companhia.

Suassuna se encontrou com o ex-presidente na Espanha. Ele assistiu a uma palestra de Lula a funcionários da Telefônica, além de ter visitado ao lado do petista o estádio Santiago Bernabeu, do Real Madrid. Mas nega interferência do petista em favor do negócio.

O empresário é dono de metade do sítio em Atibaia atribuído ao ex-presidente Lula. No terreno de sua propriedade não houve reformas apenas a instalação de uma cerca o que fez com que a Procuradoria não o denunciasse no caso. É também sócio de Lulinha na Play TV.

O acordo permitiu que a “Nuvem”, após três anos de concepção, fosse oferecido aos clientes da Vivo no país. Ela chegou a registrar, de acordo com a empresa de telefonia, 1,4 milhão de usuários. O produto rendeu à editora de Suassuna R$ 29 milhões líquidos.

O acordo pela “Nuvem” ocorreu logo após a incorporação da Vivo pela Telefônica.

Em julho de 2010, a espanhola Telefônica comprou os 30% da Vivo que pertenciam à Portugal Telecom, ficando com 60% da empresa de telefonia móvel. Ela comprou o restante das ações no mercado por meio de oferta pública de ações em março de 2011

Em maio, a incorporação da Vivo pela Telefônica foi anunciada.

Não é a primeira vez que é apontado um ato de Lula que beneficiou Suassuna e a “Nuvem”, um dos principais produtos do Grupo Gol. Em fevereiro do ano passado uma lei assinada pelo então presidente petista estimulou a criação do aplicativo.

A lei, de maio de 2010, obrigou todas as instituições de ensino públicas e privadas a possuir, até 2020, pelo menos uma biblioteca com no mínimo um título por aluno. A coleção pode existir “em qualquer suporte”, abrindo margem para bibliotecas virtuais.

Segundo relato de Suassuna, o projeto estava em elaboração três anos antes da sua concretização.

Compartilhe
Previous Alvo da Lava-Jato, Aécio já pensa em uma vaga na Câmara 2018
Next Galo critica perdão de dívida bilionária a ruralistas e chama Temer de irresponsável

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Janot pede arquivamento de inquéritos contra parlamentares na Lava Jato

O procurador-geral da República (PGR), Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que arquive cinco inquéritos derivados das delações da empresa Odebrecht, envolvendo cinco parlamentares. As investigações envolviam os

Sem categoria 0 comentários

Carlos Velloso ganha força para assumir Ministério da Justiça

Amigo de longa data do presidente Michel Temer, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Carlos Velloso está mais próximo de se tornar ministro da Justiça. O mineiro de Entre Rios