STF não pode afastar parlamentares sem aval do Congresso

STF não pode afastar parlamentares sem aval do Congresso

Em julgamento acirrado, disputado voto a voto, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (11/10) que o Congresso Nacional precisa dar aval às medidas cautelares impostas pela Corte a deputados e senadores, que impliquem, direta ou indiretamente, no exercício do mandato – caso de Aécio Neves (PSDB-MG). Coube à presidente do tribunal, ministra Cármen Lúcia, dar o voto de Minerva, desempatando a questão.

Seis ministros do tribunal votaram no sentido de que o Poder Judiciário tem competência para impor as medidas, mas, no caso de restrição que impeça ou dificulte a atividade parlamentar, a decisão deve ser encaminhada à respectiva Casa Legislativa. Nessa linha, se perfilaram Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Cármen Lúcia.

Os demais membros do plenário – cinco ministros – ficaram vencidos no entendimento de que o STF tem competência para impôr medidas cautelares sem aval do Congresso: o relator, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Celso de Mello. Para eles, o Supremo deveria dar a última palavra.

O julgamento foi uma tentativa de resolver o impasse sobre a situação de Aécio Neves. No fim de setembro, a 1ª Turma do STF afastou o senador do exercício das funções parlamentares e determinou recolhimento domiciliar noturno. A medida desagradou políticos, que consideraram as restrições um desrespeito à Constituição.

No Senado, os parlamentares queriam levar o caso para votação no plenário e, assim, tentar livrar Aécio das restrições impostas pelo tribunal. Diante da iminência de um conflito entre Legislativo e Judiciário, a presidente do STF, Cármen Lúcia, se comprometeu a dar prioridade ao julgamento da ação, a fim de definir a questão. A apreciação dos senadores sobre o caso Aécio está marcada para a próxima terça (17).

Autonomia e limitações
O relator do caso, Edson Fachin, ficou vencido. Em seu voto, o ministro ponderou que a Constituição permite que o Congresso se manifeste em caso de prisão em flagrante de parlamentar, mas não a respeito de medidas cautelares. A necessidade de autorização, para Fachin, amplia a imunidade parlamentar sem previsão legal.

“Estender essa competência para permitir a revisão por parte do Poder Legislativo das decisões jurisdicionais sobre as medidas cautelares penais significa ampliar a imunidade para além dos limites da própria normatividade que lhe é própria, em ofensa ao postulado republicano e à independência do Poder Judiciário”, afirmou, em voto contundente.

Primeiro a divergir do relator, o ministro Alexandre de Moraes avaliou que as imunidades parlamentares não podem ser interpretadas extensivamente, “mas não podem ser reduzidas, ignoradas, desprezadas, interpretadas a partir de meras normas ordinárias”. Segundo ministro, afastamento cautelar do mandato “é uma violência muito séria ao Estado de Direito e à própria democracia”.

Na sequência, Luís Roberto Barroso rebateu os argumentos contrários, Afirmou que impedir o estabelecimento de medida cautelar, como afastamento parlamente, para evitar um crime significa dizer que o crime é permitido para algumas pessoas. “Eu não gostaria de viver em um país que fosse assim”, disse.

Dias Toffoli, que também divergiu do relator, estabeleceu que o STF tem autonomia para impôr medidas cautelares como afastamento do mandato, desde que se tratem de casos “excepcionalíssimos”. Mesmo assim, segundo o ministro, as decisões devem ser submetidas ao Congresso para análise em 24 horas. O entendimento de Toffoli foi adotado como norte por outros ministros.

Ao desempatar o julgamento, Cármen Lúcia destacou que não é admissível que a decisão do STF, ou qualquer outro órgão judicial, não seja cumprida. “No constitucionalismo contemporâneo, imunidade não é sinônimo de impunidade”. Apesar de acompanhar tese da divergência, cravou: “Contra decisão judicial cabe recurso, mas não cabe desacato”.

Prerrogativas parlamentares
A ação direta de inconstitucionalidade levada a julgamento nesta quarta-feira (11) foi ajuizada pelo Partido Progressista (PP), Partido Social Cristão (PSC) e Solidariedade, em maio de 2016. À época, o STF havia acabado de determinar que o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, fosse afastado do mandato.

As legendas pedem que o Supremo dê interpretação conforme a Constituição aos artigos 312 e 319 do Código de Processo Penal (CPP). O texto do artigo 319 possibilita a substituição da prisão preventiva – definida no artigo 312 – por medidas cautelares menos gravosas que a prisão, como o afastamento da função pública.

Segundo as siglas, é preciso harmonizar os dispositivos questionados com “a autonomia das casas legislativas e as prerrogativas parlamentares”. Sustentam, ainda, que qualquer medida judicial que tenha o potencial de interferir no exercício do mandato parlamentar deve ser objeto de deliberação do Legislativo.

“É possível afirmar, de modo indubitável, que a solução constitucionalmente mais adequada é aquela que impõe a submissão ao Parlamento de qualquer medida judicial que importe no afastamento do parlamentar de suas funções institucionais, tal como ocorre na aplicação das normas dos artigos 312 e 319 do CPP”, avaliam.

Compartilhe
Previous Ganha morador e comerciante, diz ACM Neto, após inaugurar nova intervenção viária do Jardim dos Namorados;assista
Next Temer pede ajuda a Imbassahy para negociar trégua com Rodrigo Maia

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Entretenimento

Concurso de quadrilhas juninas leva milhares de pessoas à Praça da Revolução, em Periperi

Cerca de dez mil pessoas assistiram às apresentações do X Campeonato Estadual de Quadrilhas Juninas da Bahia, realizado com apoio do Governo do Estado, na Praça da Revolução, no bairro

Política

Joceval comemora criação da Frente Parlamentar dos Templos Religiosos

Uma frente parlamentar totalmente plural. É assim que o vereador Joceval Rodrigues (PPS) definiu a Frente Parlamentar dos Templos Religiosos, instituída pela Câmara Municipal de Salvador. Nesta terça-feira (9), os

Política

CCJ do Senado amplia para oito anos tempo de internação de menor infrator

Projeto aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado amplia de três para oito anos o tempo de internação do adolescente condenado por conduta descrita na legislação como