“Proteção suprema”, diz Dallagnol no Facebook sobre decisão do STF

“Proteção suprema”, diz Dallagnol no Facebook sobre decisão do STF

O procurador da República Deltan Dallagnol, da Operação Lava Jato, declarou em sua página no Facebook que os políticos, agora, têm uma “nova proteção”. Ele comentou o julgamento do Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira, 11, que decidiu, por seis votos a cinco, que medidas cautelares impostas aos deputados e senadores terão de passar pelo crivo do Legislativo.

“Não surpreende que anos depois da Lava Jato os parlamentares continuem praticando crimes: estão sob suprema proteção”, ironizou o procurador.

“Parlamentares têm foro privilegiado, imunidades contra prisão e agora uma nova proteção: um escudo contra decisões do STF, dado pelo próprio STF”, postou Deltan.

O julgamento, que se arrastou por quase 12 horas, vale também em relação a medidas determinadas contra vereadores e deputados estaduais.

O procurador ressalvou a atuação de alguns ministros, como Edson Fachin e Luís Roberto Barroso, vencidos na votação. “Fica o reconhecimento à minoria (no Supremo) que vem adotando posturas consistentes e coerentes contra a corrupção, especialmente M. Fachin e Barroso.”

Compartilhe
Previous Paris quer proibir carros a diesel e gasolina
Next Ex-procurador e ex-ministro depõem em inquérito sobre áudio da JBS

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Na PF, Wesley Batista diz que grupo ‘atua de forma padronizada’

O empresário Wesley Batista, acionista da JBS, afirmou em depoimento na Polícia Federal nesta quarta-feira, 9, que o grupo “atua de forma padronizada há mais de cinco anos”. Ele negou

Mundo

Mulher prende filhos em carro e crianças morrem por insolação

Duas crianças foram encontradas mortas por insolação dentro de um carro após a mãe prendê-las como forma de castigo. Juliet, de pouco mais de dois anos, e Cavanaugh, de 16 meses,

Cotidiano

Agente penitenciário fica fora das regras de aposentadoria aos 55 anos

Os agentes de atividades penitenciárias foram excluídos das regras especiais na Reforma da Previdência. O deputador Arthur Maia (PPS-BA), relator da proposta, apresentou uma errata ao relatório que previa a