Presidiários fogem após almoço com papa Francisco

Presidiários fogem após almoço com papa Francisco

A Polícia da Itália está atrás de dois presidiários que se aproveitaram de uma visita do papa Francisco à cidade de Bolonha, no norte do país, para escapar da cadeia.

A fuga ocorreu no dia 1º de outubro, quando os detentos, ambos italianos de Nápoles, faziam parte de uma comitiva de 20 homens que saíra da casa de reclusão de Castelfranco Emilia, a 30 quilômetros de Bolonha, para participar de uma missa e um almoço com o líder católico na Basílica de San Petronio.

Durante a refeição com Jorge Bergoglio, os acompanhantes dos detentos — todos voluntários de uma paróquia local — perceberam que faltavam dois homens no grupo e alertaram as forças de segurança, mas já era tarde demais.

Para piorar a situação, os foragidos tinham histórico de evasão prisional. Até pelo caráter embaraçoso da fuga, a Polícia mantém discrição sobre as investigações, segundo o jornal “Il Resto del Carlino”, um símbolo de Bolonha.

Os dois detentos cumpriam pena em uma casa de reclusão e trabalho que serve como alternativa a penitenciárias tradicionais. Se forem encontrados, eles perderão o direito ao benefício e serão levados a uma prisão comum.

Compartilhe
Previous Tribunal mantém na cadeia da Lava Jato ex-gerente da Petrobras
Next Executivo que bancou Neymar é acusado de pagar propina a Jérome Valcke

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Pedro Tavares aposta na renovação para fortalecer o PMDB na Bahia; assista

Em conversa com o Classe Política na manhã desta quarta-feira(20), o presidente estadual do PMDB na Bahia, deputado estadual Pedro Tavares falou sobre estratégias para renovação do quadro político na

Municípios

Carro fica destruído após pegar fogo na rodovia Ilhéus-Itabuna

Um carro ficou destruído após pegar fogo na manhã desta quinta-feira (13), na BR-415, trecho da cidade de Ilhéus. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros Militar, o motorista

Política

Raquel Dodge diz que Geddel atuou como “líder de organização criminosa”

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o ex-ministro Geddel Vieira Lima assumiu papel “líder de organização criminosa” em referência aos R$ 51 milhões