Senado adia decisão sobre afastamento de Aécio determinado pelo STF

Senado adia decisão sobre afastamento de Aécio determinado pelo STF

Após três horas de discussões, os senadores decidiram adiar a votação que pode revisar o afastamento do mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG), determinado na semana passada pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Por 50 votos a 21, os parlamentares aprovaram um requerimento subcrito por cinco senadores pedindo que a votação ocorra somente no dia 17 de outubro.

O motivo é o julgamento pelo STF de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, marcado para o próximo dia 11, que questiona a necessidade ou não de aval do Legislativo para que o Judiciário possa aplicar medidas cautelares contra parlamentares. Como a decisão pode, na prática, reverter as medidas impostas pelos ministros do Supremo contra Aécio, a maioria dos senadores preferiu adiar a votação em busca de um consenso entre os Poderes Legislativo e Judiciário.

A maioria dos parlamentares se posicionou favorável aos seis pedidos feitos para adiar a sessão. Além da bancada do PSDB, apenas alguns senadores defenderam que a votação ainda ocorresse hoje, entre eles Renan Calheiros (PMDB-AL), Jader Barbalho (PMDB-PA), Roberto Requião (PMDB-PR) e Lasier Martins (PSD-RS).

Antes de abrir o painel para a votação nominal do requerimento, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), disse que, com o adiamento, a Casa daria uma “oportunidade de a própria Suprema Corte, em seu poder de autotutela” revisar a decisão tomada pela Primeira Turma “por meio do pleno”. “Chegado o dia 17, no entanto, essa Casa poderá decidir-se à deliberação do ofício [que trata do afastamento de Aécio], que estará prejudicada uma vez que se for reformada a decisão pelo Supremo”, afirmou.

“Nós acabamos de ‘desvotar’. Meus cumprimentos à maioria do Senado”, criticou o senador Jader Barbalho. Como hoje o ministro Edson Fachin decidiu rejeitar os mandados de segurança apresentados por Aécio e o PSDB, o senador permanece afastado de suas funções e em recolhimento domiciliar noturno.

Após a sessão, Eunício Oliveira disse que o resultado “demonstra interesse” da Presidência do Congresso Nacional de dialogar com os demais Poderes. “O plenário [do STF] pode rever uma posição que era de divergência interna em uma das suas turmas, mas não fulanizando. Não sendo para A ou para B, mas para a preservação do que é mais importante da democracia, que é a obediência à Constituição brasileira”.

Compartilhe
Previous Tite faz três mudanças na seleção para jogo com a Bolívia
Next Relatório aponta Brasil como quarto país em número de usuários de internet

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Apoio a Bolsonaro é ‘fruto do ódio’, diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criticou o crescente apoio a um possível adversário nas eleições presidenciais de 2018, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), nesta segunda-feira, 10,

Política

Relator da reforma trabalhista apoia sanção da terceirização

Relator da Reforma Trabalhista na Comissão Especial da Câmara, o deputado Rogério Marinho (PSDB-RN) considerou neste domingo (2/3) a sanção do projeto de terceirização, pelo presidente Michel Temer, “extremamente” importante

Notícias

Nos EUA, idoso se mata com serra elétrica após atacar esposa

Um homem de 70 anos cometeu suicídio, utilizando uma serra elétrica, após atacar a esposa, de 76, com um machado. A tragédia aconteceu no estado da Virgínia (EUA), na tarde