Doido? Isidório entra com ação no MPF contra exposição em que criança toca em homem nú; assista

Doido? Isidório entra com ação no MPF contra exposição em que criança toca em homem nú; assista

O deputado Pastor Sargento Isidório (Avante), vice-líder da maioria da Assembleia Legislativa da Bahia entrou com uma representação no Ministério Público Federal(MPF), nesta segunda-feira(02), contra o MAM (Museu de Arte Moderna) de São Paulo,  que na exposição dia 26, uma criança tocou em um homem nú.

Em conversa com o Classe Política nesta segunda-feira(02), Isidório também criticou a mostra Queermuseu, realizada no início do mês pelo Santander Cultural, em Porto Alegre (RS), quando colocou em cartaz cerca de 270 trabalhos assinados por 85 artistas, como Adriana Varejão, Alfredo Volpi, Cândido Portinari, Clóvis Graciano e Ligia Clark. Entre as imagens da mostra mais compartilhadas, havia um Jesus Cristo com vários braços, crianças com as inscrições “Criança viada travesti da lambada” e o desenho de uma pessoa tendo fazendo sexo com um animal.

ASSISTA

Vídeo da exposição MAM São Paulo dia 26 setembro

 

 

 

 

Compartilhe
Previous Salvador: Concurso da Câmara será realizado pela FGV
Next Lula: não tenho intenção de me matar, vou enfrentar

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

Mulher é estuprada durante gravação do “Show da Virada” da TV Globo

Uma mulher foi estuprada durante a gravação do “Show da Virada”, da TV Globo, no último sábado (11/11), em Belo Horizonte (MG). O acusado foi preso em flagrante. Vanderley Lemos

Mundo

Oposição na Venezuela pede a militares que parem repressão e rompam com Maduro

A oposição exortou nesta sexta-feira os militares a cessar a “repressão” na Venezuela e a retirar seu apoio ao presidente Nicolás Maduro, que tem nas Forças Armadas sua principal sustentação.

Notícias

Maia: medida cautelar contra parlamentar gera quadro de inconstitucionalidade

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ao Supremo Tribunal Federal (STF) que a aplicação a parlamentares de medidas cautelares previstas no Código de Processo Penal provocaria