Justiça Federal nega desbloqueio de bens de Fernando Cavendish

Justiça Federal nega desbloqueio de bens de Fernando Cavendish

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2) negou hoje (27) o desbloqueio de bens do dono da Construtora Delta, Fernando Cavendish, apresentado por sua defesa. Investigado pela Operação Saqueador, desdobramento da Lava Jato, o empresário e mais seis executivos do grupo Delta tiveram imóveis e bens móveis bloqueados para reparar a União.

O Ministério Público Federal (MPF) acusa os envolvidos de lavagem de dinheiro no total de R$ 370,4 milhões por meio de contratos fraudulentos com empresas fantasmas. A decisão do TRF2 seguiu a posição do MPF.

Em outra decisão, também nesta quarta-feira, o tribunal negou o pedido de desbloqueio feito pela empresa Miriam Minas Rio Automóveis e Máquinas SA, de propriedade de José Carlos Lavouras, que é dirigente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor). Preso em Portugal, Lavouras é réu na Operação Ponto Final, que investigou esquema de corrupção no transporte público do Rio de Janeiro.

As duas decisões foram por unanimidade, com 3 votos a 0.

Compartilhe
Previous Carolino pede garantia de direitos no Dia do Idoso
Next CCJ define nesta quinta-feira rito de tramitação de denúncia contra Temer

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Moreira Franco diz que delação foi “encomenda remunerada” de Janot

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, utilizou sua conta no Twitter, neste domingo (15/10), para criticar a delação premiada do operador financeiro Lúcio Funaro e desqualificar o ex-procurador

Notícias

Palácio do Planalto acelera verba para deputados

O Palácio do Planalto determinou aos ministros que apressem a liberação de emendas parlamentares da base aliada e ainda prorrogou o prazo para pagamento de despesas empenhadas e não executadas

Notícias

Ex-deputado petista Cândido Vaccarezza é preso na Lava-Jato

O ex-deputado federal petista Cândido Vaccarezza foi preso, em São Paulo,  na manhã desta sexta-feira.  O mandado de prisão temporária ( por cinco dias, prorrogáveis pelo mesmo período) contra contra