Setor de serviços têm primeira queda desde março, aponta IBGE

Setor de serviços têm primeira queda desde março, aponta IBGE

A queda de 0,8% registrada pelo setor de serviços na passagem de junho para julho foi o primeiro resultado negativo desde março, quando tinha encolhido 2,3%. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com julho do ano anterior, houve redução de 3,2% em julho deste ano, já descontado o efeito da inflação. A taxa acumulada pelo volume de serviços prestados no ano ficou negativa em 4%, enquanto o volume acumulado em 12 meses registrou perda de 4,6%.

O resultado foi o mais negativo para meses de julho na série com ajuste sazonal — na comparação com o mês imediatamente anterior —, iniciada em 2012. “O setor de serviços não está com crescimentos constantes, eles vêm sendo interrompidos por quedas pontuais”, afirmou Roberto Saldanha, analista da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE.

Segundo Saldanha, a queda no setor de serviços em julho foi pontual, não significa que houve alguma reversão de tendência, tampouco que haja trajetória de recuperação.

“Os dados evidenciam que o setor ainda não está em recuperação. Para recuperar, tem de ter um crescimento mais robusto da indústria, porque só a indústria pode puxar o setor de serviços, e o setor público também, através de contratações e terceirização”, avaliou Saldanha.

O pesquisador acredita que o próprio ajuste fiscal conduzido pelos governos federal, estaduais e municipais poderia ajudar o desempenho do segmento de serviços, caso haja uma terceirização.

“Nesse problema da crise fiscal, a tendência é o governo, em vez de aumentar a contratação própria, optar por terceirizar. Terceirizando o corte de despesa é mais fácil. A terceirização no setor público pode alavancar os serviços”, previu.

O segmento de serviços prestados às famílias registrou um avanço de 0,9% na passagem de junho para julho. Os demais resultados, porém, foram negativos entre as atividades pesquisadas: Outros Serviços, -2,8%; Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, -0,9%; Serviços profissionais, administrativos e complementares, -2,0%; e Serviços de informação e comunicação, -0,8%.

O agregado especial das Atividades turísticas apresentou redução de 2,1% em julho ante junho.

Compartilhe
Previous Venda antecipada de papéis evitou rombo de R$ 138 mi para os Batista
Next “Irmãos Batista têm personalidade voltada para crime”, afirma PF

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

Governo lança edital para empresas interessadas na construção da ponte Salvador-Itaparica

Foi publicado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Planejamento (Seplan), nesta terça-feira (1º), no Diário Oficial, o edital de chamamento público que convida empresas interessadas para avaliar

Notícias

Lídice da Mata defende desoneração sobre querosene da aviação para redução do preço das passagens aéreas

Com o objetivo de incrementar o turismo nacional, a senadora Lídice da Mata (PSB-BA) defende a diminuição dos encargos sobre a querosene cobrados atualmente do setor de aviação no Brasil.

Política

Paulo Azi pede apuração da PF para esclarecer incêndio que destruiu secretaria em Camaçari

O deputado federal Paulo Azi (DEM) encaminhou encaminhou nesta sexta-feira (3) um requerimento à Polícia Federal solicitando a adoção de providências imediatas para a apuração dos responsáveis pelo incêndio criminoso