Mesmo com protestos, governo francês reafirma reforma trabalhista

Mesmo com protestos, governo francês reafirma reforma trabalhista

O primeiro-ministro da França, Édouard Philippe, destacou a vontade de levar adiante a reforma trabalhista, que deverá estar em vigor no fim de setembro, após o primeiro dia de mobilização contra as mudanças, organizado nessa terça-feira (12) por vários sindicatos. A informação é da Agência EFE.

“O mandato que nos deu o povo francês, vamos colocar em prática”, afirmou Philippe, em entrevista ao canal France 2, lembrando que a reforma trabalhista estava no programa do presidente, Emmanuel Macron, quando foi eleito em maio.

“Aqueles que estão preocupados, que se inquietam e se opõem a esse texto, argumentou, têm perfeitamente esse direito. Mas me permito lembrar que os franceses se manifestaram com seu voto e também têm direito ao respeito”.

“A reforma que implementamos foi anunciada pelo presidente da República no momento das eleições presidenciais”, acrescentou.

As quase 200 manifestações na França reuniram ontem 400 mil pessoas, segundo a Confederação Geral do Trabalho (CGT). A polícia, porém, estimou esse número em 223 mil. As greves tiveram impacto limitado.

A CGT programou outra jornada de mobilizações para o dia 21, às vésperas da reunião do Conselho de Ministros, que adotará os decretos que flexibilizarão o mercado de trabalho. No dia 23, haverá outra manifestação em Paris, organizada pela França Insubmissa, o partido da esquerda radical.

Compartilhe
Previous Câmara de Salvador: Líderes definem, em reunião, pauta de votações
Next Câmara aprova MP que institui Programa de Regularização de Débitos

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Lídice da Mata é a nova líder do PSB no Senado

A baiana Lídice da Mata foi escolhida, nesta terça-feira (12), líder do PSB no Senado, tendo como vice o sergipano António Carlos Valadares. Na atual legislatura, é a segunda vez

Política

Fachin autoriza interrogatório de Sarney e Jucá

O ministro Edson Fachin determinou que Polícia Federal dê cumprimento à determinação de interrogar o ex-presidente José Sarney, os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-diretor