Empresário diz à PF que ‘não sabia’ do dinheiro no bunker de Geddel

Empresário diz à PF que ‘não sabia’ do dinheiro no bunker de Geddel

O empresário Silvio Silveira disse à Polícia Federal nesta quarta-feira, 6, que “não sabia” que o apartamento no bairro da Graça, em Salvador, estava sendo usado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima para guardar dinheiro. Ele admitiu ter emprestado o imóvel a Geddel. Nesta terça-feira, 5, a PF fez buscas no endereço e encontrou R$ 51 milhões em dinheiro vivo, fortuna atribuída ao ex-ministro do governo Temer cuja origem seria propina.

Silveira apresentou-se à PF e contou que Geddel pediu o apartamento para estocar “pertences do pai” (falecido em janeiro de 2016).

Segundo o delegado Daniel Justo Madruga, superintendente regional da PF na Bahia, os agentes ficaram “surpresos” com a descoberta de tanto dinheiro – a PF levou cerca de 12 horas para fazer a contagem, utilizando oito máquinas e onze funcionários de uma empresa transportadora de valores.

A conferência indicou R$ 42,6 milhões e US$ 2,68 milhões em cédulas.

Geddel ainda não se manifestou sobre a origem da fortuna a ele atribuída.

Compartilhe
Previous Salvamar prepara operação com 34 postos para o feriado prolongado
Next Coronel critica criminalização da atividade política em encontro da UVB

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política 0 comentários

Deputado quer acabar com horário de verão

No próximo dia 19 de fevereiro termina o horário de verão. Projeto de lei do deputado Valdir Colatto (PMDB/SC) quer acabar com essa rotina, adotado pela primeira vez em 1931

Notícias

Leur Lomanto Jr confirma saída do MDB nos próximos dias

No terceiro mandato como deputado estadual, Leur Lomanto Jr. confirma que deixará de integrar o MDB, nos próximos dias. Diante do quadro de reavaliação do cenário político, em todo o

Notícias

Rui Costa e mais dois governadores podem ser processados sem aval de assembleias, diz STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (9) derrubar três normas estaduais que impedem governadores de responder a ações penais sem autorização das assembleias legislativas. No julgamento, o STF entendeu