Empresário diz à PF que ‘não sabia’ do dinheiro no bunker de Geddel

Empresário diz à PF que ‘não sabia’ do dinheiro no bunker de Geddel

O empresário Silvio Silveira disse à Polícia Federal nesta quarta-feira, 6, que “não sabia” que o apartamento no bairro da Graça, em Salvador, estava sendo usado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima para guardar dinheiro. Ele admitiu ter emprestado o imóvel a Geddel. Nesta terça-feira, 5, a PF fez buscas no endereço e encontrou R$ 51 milhões em dinheiro vivo, fortuna atribuída ao ex-ministro do governo Temer cuja origem seria propina.

Silveira apresentou-se à PF e contou que Geddel pediu o apartamento para estocar “pertences do pai” (falecido em janeiro de 2016).

Segundo o delegado Daniel Justo Madruga, superintendente regional da PF na Bahia, os agentes ficaram “surpresos” com a descoberta de tanto dinheiro – a PF levou cerca de 12 horas para fazer a contagem, utilizando oito máquinas e onze funcionários de uma empresa transportadora de valores.

A conferência indicou R$ 42,6 milhões e US$ 2,68 milhões em cédulas.

Geddel ainda não se manifestou sobre a origem da fortuna a ele atribuída.

Compartilhe
Previous Salvamar prepara operação com 34 postos para o feriado prolongado
Next Coronel critica criminalização da atividade política em encontro da UVB

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Gilmar: comparação entre STF e vara de Moro é absolutamente imprópria

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse, nesta quinta-feira (20/4), que a comparação entre os trabalhos apresentados na Corte e na 13ª vara de Curitiba é “absolutamente

Notícias

Geraldo Junior minimiza disputa pela presidência da Câmara com Tinoco

Após a especulação de que o secretário de Cultura e Turismo de Salvador e vereador licenciado Claudio Tinoco (DEM), entrará na disputa pela presidência da Câmara Municipal, o também postulante

Notícias

Pedido de abono de falta aumenta 11 vezes na Câmara dos Deputados

A Câmara registrou em 2018, ano eleitoral, um aumento de mais de 11 vezes nos pedidos de deputados federais para abonar suas faltas. Foram 527 solicitações feitas de janeiro a