São Gonçalo dos Campos: Ex-prefeito terá de devolver R$ 235 mil por shows de Bell e É o Tchan que não ocorreram

São Gonçalo dos Campos: Ex-prefeito terá de devolver R$ 235 mil por shows de Bell e É o Tchan que não ocorreram

O ex-prefeito de São Gonçalo dos Campos, município da região de Feira de Santana, Antônio Dessa Cardozo, terá que devolver aos cofres do município, nada menos que R$235 mil. Este foi o valor que ele pagou, antecipadamente, em março do ano passado, para a realização da ”Festa de Aleluia”, que teria como principais atrações as bandas de ”Bell Marques” e ”É o Tchan”. A festa foi cancelada por determinação da Justiça, mas até agora o dinheiro pago aos artistas e para a montagem da estrutura não foi devolvido ao município, ”apesar das tentativas de forma amigável”. A exigência de ressarcimento ao erário foi aprovada na sessão desta quarta-feira pelos conselheiros do Tribunal de Contas dos Municípios ao julgar Termo de Ocorrência lavrado contra o então prefeito de São Gonçalo. Ele foi punido ainda com multa no valor de R$ 7 mil. Na defesa que apresentou, Antônio Cardoso afirmou, que ”embora previsto no contrato pagamento de 50% do show na assinatura do mesmo, a administração optou pelo pagamento na sua integralidade no último dia útil antes desta data – o dia 22 de março de 2016 -, por conta do recesso da Semana Santa”. Os artistas Bell Marques e banda e o grupo É o Tchan – explicou – exigiram o pagamento antecipado de parte do contrato. ”Mas nós, para garantir a efetiva execução do serviço, optamos pelo pagamento integral, que foi feito nos dois últimos dias de expediente, antes dos feriados”. A suspensão do festejo, por ordem judicial ocorreu no dia 23 de março de 2016, quando, segundo o então prefeito, ”toda a estrutura da administração já se encontrava em recesso pascoal, e ainda assim, tentou-se junto com as empresas dos artistas a devolução do dinheiro ao erário municipal, enviando ofícios formalizando o pedido através da Procuradoria Jurídica do Município, onde as mesmas não se manifestaram, nem contra, nem a favor da solicitação”. E conclui Antônio Dessa Cardozo, no documento de defesa que apresentou em março deste ano ao TCM: ‘Ainda nos dias de hoje a Procuradoria busca de forma legal a devolução ao erário municipal pelas referidas empresas de forma amigável”. E juntou, para comprovar o argumento, ofícios encaminhados pela prefeitura às empresas contratadas, solicitando a devolução dos cachês pagos – que foram, evidentemente, solenemente ignorados.

Compartilhe
Previous Maioria do STF é a favor do ensino religioso não confessional
Next Conquista: Adolescente é morto na casa de ‘amigo’; suspeito alega acidente

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Comissão da Câmara de Salvador acompanha caso de invasão de terreiro no Curuzu

A Comissão de Reparação da Câmara de Vereadores de Salvador visitou, nesta segunda-feira (21), o terreiro de candomblé Hunkpame Savalu Vodun Zo Kwe, no Curuzu, para ouvir o líder espiritual

Política

Parlamentares lançam frente contra jogos de azar

Nesta quinta-feira (9/11) o deputado federal Roberto de Lucena (PV-SP) lançou a frente parlamentar mista contra a legalização dos jogos de azar no país, prevista em dois projetos de lei

Política

Líder do PSD na Câmara prevê mais votos do partido contra Temer na 2ª denúncia

O líder do PSD na Câmara, deputado Marcos Montes (MG), afirmou nesta quarta-feira, 27, que o número de deputados do partido que votarão contra o presidente Michel Temer deve aumentar