Fachin nega pedido de suspeição de Janot para atuar contra Temer

Fachin nega pedido de suspeição de Janot para atuar contra Temer

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin rejeitou hoje (30) o pedido de suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, feito pela defesa do presidente Michel Temer, para atuar em investigação relacionada ao presidente que está em tramitação na Corte. Na decisão, Fachin entendeu que não houve indícios de parcialidade de Janot durante as investigações contra o presidente.

No início do mês, o advogado Antonio Mariz, representante de Temer, acusou Rodrigo Janot de parcialidade nas investigações. “Se ao contrário, assumir de pronto que o suspeito é culpado, sem uma convicção da sua responsabilidade, vai atuar no curso das investigações e do processo com o objetivo de obter elementos que confirmem o seu posicionamento prematuro”, disse Mariz.

Na ação, a defesa de Temer também cita uma palestra na qual Janot disse que “enquanto houver bambu, lá vai flecha”, uma referência, segundo o advogado, ao processo de investigação contra o presidente.

“Parece pouco interessar ao procurador se o alvo a ser atingido, além da pessoa física de Michel Temer, é a instituição Presidência da República; as instituições republicanas; a sociedade brasileira ou a nação”.

Compartilhe
Previous TCU manda Gabrielli e Cerveró pagarem prejuízo de Pasadena
Next Câmara de Salvador aprova 270 projetos da Ordem do Dia

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Alckmin evita falar sobre FHC que pede redução do mandato de Temer

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), evitou na tarde desta segunda-feira (26/6) a responder o que pensa sobre o artigo publicado hoje em que o ex-presidente Fernando Henrique

Política

‘Excelente ligação’, diz Trump sobre conversa com Bolsonaro

Por meio de sua conta no Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comentou a conversa que teve neste domingo, 28, por telefone com o presidente eleito do Brasil,

Notícias

Magno Malta usa CPI para se cacifar como vice de Bolsonaro

Presidente de uma CPI no Congresso pela quarta vez, o senador Magno Malta (PR-ES) tem um desafio pela frente: conseguir adiar o fim da comissão no Senado que investiga maus-tratos