STJ decide que Eike retorne à prisão, mas liminar do STF garante liberdade

STJ decide que Eike retorne à prisão, mas liminar do STF garante liberdade

A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu hoje (8), por 3 votos a 1, que Eike Batista deve voltar a ser preso preventivamente em regime fechado. Entretanto, o empresário permanecerá detido em casa por força de uma liminar concedida pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Os quatro ministros do STJ que julgaram, nesta terça-feira, o mérito do habeas corpus de Eike, chegaram a cogitar se o empresário não deveria retornar de imediato ao cárcere, ante a nova decisão. Ao fim, no entanto, entenderam que a decisão colegiada do STJ não poderia se sobrepor à decisão liminar (provisória) do Supremo.

Eike foi preso no final de janeiro, por ordem do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Após ter tido sucessivos recursos negados em instâncias inferiores, o empresário foi beneficiado por uma decisão do ministro Gilmar Mendes, em abril, quando teve a prisão preventiva substituída por nove medidas cautelares, entre elas a proibição de sair de casa.

Agora, dverá caber à Segunda Turma do STF decidir sobre o futuro de Eike. O julgamento não tem data para ocorrer.

Julgamento

Eike é réu na Justiça Federal do Rio por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo as investigações, o empresário teria repassado US$ 16,5 milhões em propina ao então governador do estado, Sérgio Cabral, por meio de contratos fraudulentos com o escritório de advocacia da mulher de Cabral, Adriana Ancelmo, em uma ação fraudulenta que simulava a venda de uma mina de ouro, por intermédio de um banco no Panamá.

Ao votar pela prisão de Eike, o presidente da Sexta Turma do STJ, ministro Rogério Schietti, afirmou que ele deveria continuar preso ante a “magnitude sobrenatural, que foge de qualquer parâmetro que se vê no cotidiano forense”, dos crimes praticados.

Para o Ministério Público Federal (MPF), os prejuízos aos cofres provocados por Eike são “imensuráveis”, tendo provocado prejuízo “profundo e significativo ao patrimônio e à moral do estado do Rio de Janeiro e do Brasil”.

Ao defender a liberdade de Eike, o advogado Fernando Teixeira Martins afirmou que o empresário sempre buscou colaborar com a Justiça, em especial desde que foi solto pela liminar do STF. “Não houve nesses três meses nada que pudesse ensejar qualquer desconfiança”, afirmou.

O advogado destacou que a instrução do processo em que Eike é réu já se encontra em estágio final, não havendo motivos, portanto, que justifiquem medidas cautelares contra o empresário. A defesa pedia a liberadade irrestrita do réu.

Compartilhe
Previous Temer admite estudos sobre aumento da alíquota do Imposto de Renda
Next Fachin homologa delação do ex-deputado Pedro Corrêa

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Como presidente da República em exercício, Maia vai ao STF encontrar Cármen Lúcia

O presidente da República em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), está neste momento reunido com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, na sede do STF. O encontro foi

Política

Targino quer proibir excesso de sons altos nas ruas

Com o objetivo de proibir o excesso de sons altos nas ruas, o deputado estadual Targino Machado (PPS) apresentou o Projeto de Lei nº 22.188/2017, que dispõe sobre a emissão

Municípios

Bom Jesus da Lapa: Passageiro assalta van e depois mata motorista

Um passageiro de uma van que trafegava pela BA-160, entre Paratinga e Bom Jesus da Lapa, anunciou um assalto na manhã de terça-feira (2) e, assim que o condutor entregou