Confusão no plenário suspende votação da reforma trabalhista

Confusão no plenário suspende votação da reforma trabalhista

O presidente do Senado, senador Eunício Oliveira (PMDB/CE), suspendeu nesta terça-feira a sessão aberta para votar a reforma trabalhista, já aprovada pela Câmara. A decisão  foi em retaliação às senadoras da oposição Fátima Bezerra (PT/RN),  Gleisi Hoffmann (PT/PR) e  Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM) por ocuparem a Mesa do plenário, onde fica a cadeira do senador presidente da Casa. Elas se recusarem a deixar o local.

As senadoras abriram a sessão na manhã desta terça-feira, aproveitando a ausência de Eunício, com discursos em protesto à reforma trabalhista. O regimento interno da Casa permite que qualquer senador abra a sessão, desde que haja quórum.

Contrárias à reforma trabalhista, as senadoras aproveitaram a primeira hora da sessão para passar a palavra para outros parlamentares que discursavam contra a proposta do governo, aprovada na Câmara.

A sessão foi aberta pela senadora Fátima Bezerra por volta das 11 horas. Às 12h16, quando Eunício chegou ao plenário, ele quis ocupar a cadeira de presidente da Casa, mas a senadora, que estava sentada no lugar dele, não quis se levantar da cadeira. Eunício reagiu tentando tirar o microfone da senadorae, após essa confusão, suspendeu a sessão.

Compartilhe
Previous Apoio a Bolsonaro é 'fruto do ódio', diz Lula
Next Temer não pode se ocultar em manobras ilícitas, diz presidente da OAB

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Barroso libera acesso de Loures a dados do inquérito dos Portos

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu pedido da defesa de Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) para ter acesso aos dados do inquérito que investiga supostos benefícios

Notícias

Confiança do empresário do comércio cresce 0,3% em outubro

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio, medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cresceu 0,3% de setembro para outubro deste ano e atingiu

Política

Governo não perde de jeito nenhum, diz vice da Câmara

Vice-presidente da Câmara dos Deputados e substituto imediato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), defende em entrevista ao Estado/Broadcast um “prazo de validade” para a Lava Jato.