PF apreende recibos de off-shore com coronel amigo de Temer

PF apreende recibos de off-shore com coronel amigo de Temer

A Polícia Federal encontrou 17 recibos relacionados a uma empresa off-shore na casa do coronel aposentado João Baptista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer (PMDB) e alvo da Operação Patmos. Os investigadores vão agora apurar a origem dos documentos. Os recibos foram recolhidos na residência de Lima Filho, durante busca e apreensão, em São Paulo.

A Patmos foi deflagrada em 18 de maio após o jornal o Globo revelar que o peemedebista foi gravado pelo empresário da JBS dando aval para o pagamento de propina ao ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) — que está preso — em troca do silêncio dele. A operação tornou Temer investigado por corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa.

Lima Filho passou a ser investigado após a delação de Joesley Batista, acionista do grupo J&F, que o apontou como responsável por receber parte dos valores de propina supostamente destinada a Temer. Os recibos são relacionados a offshore Langley Trade Co. S.A.

Na Receita Federal, a Langley está registrada como empresa domiciliada em Montevidéu, capital do Uruguai. No banco de dados do Panamá Papers, do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos, o endereço está atrelado ao escritório Zolkwer y Asociados.

Delação
No acordo de colaboração dos executivos da J&F, o contador Florisvaldo Caetano de Oliveira, apontado pela JBS como responsável por entregar dinheiro a políticos, relatou ao menos dois encontros com Lima Filho. O primeiro, segundo Oliveira, teve como objetivo conhecer o destinatário, chamado de “coronel”, e combinar a forma de entrega dos valores. No segundo encontro, o contador afirmou ter entregue R$ 1 milhão em espécie para Lima Filho.

Outro delator, o diretor de Relações Institucionais da J&F, Ricardo Saud, entregou uma série de documentos à Procuradoria-Geral da República mostrando que o endereço citado por Oliveira era o da empresa Argeplan Arquitetura e Engenharia, cujo dono é o amigo de Temer. A Argeplan integra um consórcio que ganhou concorrência em 2012 para executar serviços na Usina de Angra 3. As obras são investigadas na Lava Jato.

A reportagem procurou Lima Filho na Argeplan por telefone, mas foi informado de que a empresa não operou e não haveria ninguém para responder.

Compartilhe
Previous Maduro acusa Twitter de desativar milhares de contas de chavistas
Next Corruptos podem ser excomungados da igreja católica, diz Vaticano

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Henrique Eduardo Alves e Cunha tinham “conta conjunta”, afirma Suíça

Uma empresa no centro de Genebra, na Suíça, gerenciou uma “conta conjunta” de dois ex-presidentes da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ) — que estão

Política

Suíça mantém dinheiro de Eduardo Cunha bloqueado

A condenação do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Brasil ainda não garante a devolução de seu dinheiro bloqueado na Suíça. Uma repatriação dependeria da confirmação da sentença em última

Notícias

Marco Aurélio pede à PGR parecer urgente sobre recurso de Aécio

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) que se manifeste urgentemente sobre os pedidos das defesas do senador afastado Aécio Neves