Músico do Cidade Negra é condenado por agredir a mulher

Músico do Cidade Negra é condenado por agredir a mulher

Bino Farias, baixista da banda Cidade Negra, foi condenado a dois anos de serviços comunitários por agredir a mulher, com quem foi casado por 17 anos. Segundo denunciou, durante anos ela sofreu agressões.

“Foram 17 anos de agressões físicas, psicológicas e patrimoniais. Eu espero que o meu depoimento possa auxiliar principalmente na prevenção de casos como o meu. O meu desejo é que outras mulheres e suas famílias não carreguem as mesmas marcas de violência”, disse a técnica de áudio Marcele Simeão, segundo o colunista Leo Dias, de O Dia.

O músico chegou a ameaçar Marcele de morte em 2014, desencadeando uma ocorrência policial, que levou o casal a se separar definitivamente. De acordo com ela, as agressões foram de cunho físico, psicológico e patrimonial.

O baixista foi enquadrado na Lei Maria da Penha e condenado pelo juiz André Luiz Cidra, do Juizado de Violência Doméstica de Niterói, no Rio de Janeiro. O músico não se manifestou sobre a condenação.

Compartilhe
Previous TSE lança campanha nas redes sociais para acabar com mitos eleitorais
Next Aécio Neves teme prisão e afirma que vive situação “kafkiana”

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Renan Calheiros usa as redes para criticar reforma e ironizar Temer

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) usou as redes sociais para, em vídeo, criticar a reforma da Previdência e o presidente Michel Temer nesta sexta-feira, 9. Em tom humorado, Calheiros, que

Economia

Preço da cesta básica diminui em 23 capitais, aponta Dieese

O custo da cesta básica em junho diminuiu em 23 capitais brasileiras e aumentou em quatro, aponta a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Departamento Intersindical de

Política

Inspirado na operação Lava-Jato, aplicativo monitora gastos e ações de políticos

Em meio a tantas denúncias e escândalos de corrupção que ocorrem no país há anos – envolvendo de vereadores ao presidente da República –, um grupo de estudantes decidiu criar