Homem que roubou banco para fugir da esposa vai para prisão domiciliar

Homem que roubou banco para fugir da esposa vai para prisão domiciliar

O americano Lawrence John Ripple, 71 anos, foi condenado a prisão domiciliar por roubar um banco em setembro de 2016, no entanto, o idoso, quando cometeu o crime, assumiu que desejava ser preso para ficar longe da esposa.

Ripple entrou no Bank of Labor e entregou um bilhete à atendente que dizia: “Tenho uma arma, me dê o dinheiro”. A funcionária entregou US$ 2.924 (cerca de R$ 9,6 mil), em seguida, ele sentou para esperar a polícia. No tribunal, a defesa de Ripple alegou que, na ocasião, ele estava com depressão em decorrência de problemas cardíacos.

Na última terça-feira (13/6), o juiz Carlos Murguia condenou o marido fujão a seis meses de prisão domiciliar. Além disso, Ripple ficará três anos em regime condicional, prestará 50 horas de trabalho comunitário e vai pagar US$ 227,27 (cerca de R$ 745) ao banco.

Durante o julgamento Ripple afirmou que está fazendo tratamento para depressão. Acompanhado da esposa, ele ainda pediu desculpas ao banco e à bancária.

Compartilhe
Previous Impressionante: homem cai de speedfly na Pedra Bonita e está em estado grave; assista
Next Trump questiona por que Hillary não é investigada

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Zeca Camargo é condenado a indenizar pai de Cristiano Araújo

O apresentador Zeca Camargo foi condenado pela Justiça a pagar indenização por danos morais de R$ 60 mil ao pai de Cristiano Araújo e à empresa que cuidava da carreira

Notícias

Confiança do consumidor fecha 2017 estável, mostra indicador do SPC Brasil

A confiança do consumidor encerrou o ano de 2017 de maneira estável, considerando o Indicador de Confiança do Consumidor (ICC), que concluiu o último mês de dezembro com 40,9 pontos,

Economia

BB vai liberar até R$ 50 bilhões para projetos de infraestrutura

Uma semana depois do anúncio do novo programa de privatizações do governo Michel Temer (PMDB-SP), que incluiu Eletrobras e outras estatais, o presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, disse