Presidente da CCJ rejeita pedido da base aliada para interrogar Fachin

Presidente da CCJ rejeita pedido da base aliada para interrogar Fachin

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), decidiu rejeitar requerimento apresentado por parlamentares da base aliada por meio do qual cobravam informações ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a relação dele com o executivo Ricardo Saud, um dos delatores do grupo J&F, que administra a JBS. Caberá agora recurso à Mesa Diretora para que o pedido seja votado diretamente no plenário da Casa.

“Devo indeferir e não pautar o requerimento (na CCJ). Falta embasamento jurídico”, afirmou Pacheco ao Broadcast/Estadão na noite desta terça-feira, 13. De acordo com o peemedebista, que também é da base aliada do governo, o requerimento é atípico e, por isso, não há previsão na Constituição Federal nem no Regimento Interno da Câmara para votá-lo na comissão que preside.

O requerimento foi apresentado pelo deputado Fausto Pinato (PP-SP) com apoio de vários deputados da base e até da oposição, em reação à delação premiada da JBS. Na delação, executivos da empresa incriminaram o presidente Michel Temer e disseram ter pago propina a 1.890 políticos, entre eles, vários parlamentares Além do requerimento, base e oposição articularam a criação de uma CPI Mista para investigar o frigorífico no Congresso.

Compartilhe
Previous Aécio reafirma que Andrea jamais foi responsável por qualquer crime
Next Temer oferece jantar para governadores em Brasília

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Cotidiano

STJ decide que transexual pode alterar gênero na carteira de identidade

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que os transexuais têm direito à alteração do gênero no registro civil, mesmo sem realização de cirurgia de mudança de

Notícias

Irmã de Aécio reitera pedido de liberdade após denúncia ser oferecida

A defesa de Andrea Neves apresentou nesta quarta-feira, 7, um novo pedido de liberdade, ao Supremo Tribunal Federal (STF), sob a alegação de que não haveria motivos para mantê-la presa

Política

Odebrecht pagou treinamento empresarial para filho de Lula

A Odebrecht teria pagado um orientador de carreira para ajudar o filho caçula do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Luís Cláudio, a aprimorar técnicas de gestão. O objetivo seria