BC afirma que medida provisória não tem relação com boatos de delações

BC afirma que medida provisória não tem relação com boatos de delações

O Banco Central voltou a defender nesta segunda-feira, 12, por meio de nota, que a Medida Provisória 784 não tem relação com delações que possam surgir no âmbito da Operação Lava Jato. A MP, editada na semana passada, cria o Acordo de Leniência e o Termo de Compromisso, que poderão ser firmados inclusive por instituições financeiras que eventualmente sejam envolvidas na Lava Jato.

Na semana passada, o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, já havia detalhado as mudanças trazidas pela MP 784 que, agora, tramitará no Congresso. Além das novas modalidades de acordo com o BC, a medida provisória estabelece multas maiores para quem cometer delitos administrativos. Os valores podem superar os R$ 2 bilhões, sendo que na legislação antiga as multas estavam limitadas a R$ 250 mil.

Este novo parâmetro de multas vale apenas para delitos administrativos cometidos a partir de agora – e não para os cometidos no passado. Instituições eventualmente envolvidas na Lava Jato, no entanto, podem pagar valores maiores, porque os crimes de lavagem e ocultação de bens estão previstos em outra legislação, de 1998, como informou o Broadcast na semana passada.

Hoje, o BC afirmou em nota que a proposta de atualização das regras punitivas no âmbito da instituição e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – também abarcada pela MP – vem de uma recomendação do G-20 para os bancos centrais e está sendo discutida amplamente desde o ano de 2012. “Em dezembro do ano passado, esse projeto foi amplamente anunciado e divulgado na Agenda BC+. Portanto, a MP não tem relação com boatos de delações que surgiram a posteriori e cujo conteúdo é desconhecido”, disse o BC.

De acordo com a instituição, “a urgência da medida decorre da avaliação do Brasil, no âmbito do Financial Sector Assessment Program (FSAP), que começa no próximo mês, julho de 2017”. O BC informou ainda que está à disposição do Congresso, do Ministério Público Federal (MPF) e de outras entidades para debater e aperfeiçoar o conteúdo da medida provisória.

Críticas

Na sexta-feira, um dos principais nomes da operação Lava Jato, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, criticou duramente a MP. Uma das críticas foi justamente o momento de publicação da medida, que, em sua avaliação, pode proteger bancos eventualmente acusados na investigação.

Lima criticou ainda a possibilidade de que sejam feitos acordos entre instituições financeiras e o BC com multas com valores “irrisórios”, sem que haja efetiva colaboração. Outro item duramente criticado é o que permite sigilo de acordos. O procurador teme que outros órgãos, como MPF e Polícia Federal, nem sequer sejam informados sobre os acordos – o que impediria eventual investigação criminal.

Sobre isso, o BC reforçou hoje, na nota, que “o acordo de leniência refere-se tão somente a irregularidades administrativas das instituições financeiras, e não penais, que continuarão a cargo do Ministério Público Federal (MPF)”. “A MP não versa sobre questão penal da alçada de atuação do MPF (corrupção, lavagem de dinheiro, etc.).” Ao mesmo tempo, a instituição afirmou que “eventual sigilo sobre matéria administrativa da competência do BC não afasta a obrigação de o BC comunicar todo e qualquer indício de crime ao MPF e a outros órgãos competentes, conforme previsto no art. 9º da Lei Complementar 105”.

Como já havia defendido ao Broadcast na semana passada, o BC afirmou ainda que a MP “em nada altera ou interfere na capacidade de investigação e de comprovação de ilícitos penais do Ministério Público”. “Tampouco altera o dever legal do BC e da CVM de comunicar indícios de crime ao MPF.”

Compartilhe
Previous Candidatos aprovados no Sisu têm até hoje para fazer matrícula
Next Mãe filma sexo com filhos pequenos e coloca em site de pedofilia

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Economia

Três em cada 10 consumidores fecharam março “no vermelho”, mostra pesquisa

Pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que, em março, três em cada dez consumidores afirmaram que fecharam

Política

Imbassahy diz que Temer deve exonerar ministros para que votem contra denúncia; assista

O ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Antônio Imbassahy, considera “concreta” a possibilidade de Michel Temer exonerar temporariamente alguns ministros que possuem mandato na Câmara para que

Notícias

Ala tucana quer trocar relator de denúncia contra Temer

A cúpula do PSDB entrou em campo para pressionar o deputado tucano Bonifácio de Andrada (MG) a abandonar a relatoria da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer e os