Grupo busca saída definitiva de Aécio da presidência do PSDB

Grupo busca saída definitiva de Aécio da presidência do PSDB

Diante do cenário de incertezas, parte da bancada do PSDB na Câmara articula apresentar uma “PEC Partidária” para renovar a direção executiva tucana no segundo semestre, e não em maio, quando termina o atual mandato dos dirigentes. A ideia de mudar as regras internas da legenda é retirar o senador Aécio Neves (MG), que hoje está afastado da presidência do partido, definitivamente do cenário partidário.

Aécio se licenciou do comando do PSDB após a revelação, no último dia 17, das delações premiadas do grupo JBS, que incluem gravações de conversas dele com o empresário Joesley Batista, nas quais o senador pede dois milhões de reais e trava diálogos que foram interpretados pelos procuradores como articulações contra a força-tarefa da Operação Lava Jato. A situação se complicou ainda mais no dia seguinte, quando foram presos Andrea Neves e Frederico Pacheco, irmã e primo do senador, sendo que este foi flagrado pela Polícia Federal recebendo 500 mil reais, que fariam parte dos dois milhões combinados entre Aécio e Joesley. A ação, batizada de Operação Patmos, acelerou a decisão, consolidada no mesmo dia, do afastamento dele do comando da legenda.

A proposta do grupo que articula a confirmação da licença de Aécio é eleger o senador Tasso Jereissati (CE), presidente interino do PSDB, para assumir em caráter definitivo. A grande questão agora é “encontrar uma fórmula”, segundo o vice-presidente da sigla, o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman. O ex-governador ressaltou ainda que o partido se equivocou em uma decisão de dezembro, que prorrogou o mandato do senador mineiro por mais um ano. “Foi um erro renovar o mandato da executiva esse ano. É possível antecipar a mudança (para antes de maio de 2018)”, defendeu Goldman.

Pelo estatuto do PSDB, a “fórmula” que representa uma saída seria realizar uma convenção partidária com os mesmos delegados que elegeram a atual direção. Assim, segundo o texto, seria possível eleger uma nova executiva para completar o mandato vigente.

Compartilhe
Previous Procurador no TSE deve recorrer de absolvição da chapa Dilma-Temer
Next Pensei no que era melhor para o país, diz Fux sobre julgamento no TSE

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Reunião entre Temer e aliados tratou da aprovação da reforma trabalhista na CCJ

O ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB-BA), disse há pouco que a estratégia para garantir a aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do

Cotidiano

Polícia prende 4 pessoas com carros clonados da PF e Receita Federal

A Polícia Militar prendeu nesta terça-feira (21/11) quatro pessoas suspeitas de clonar carros da Polícia Federal e da Receita Federal. Os veículos estavam em um galpão em Guarulhos, município da

Notícias

Distritão aprovado pelos deputados facilita acordos escusos

Alvejado por escândalos de financiamento de campanha, hiperindividualismo, clientelismo, o Japão abandonou, na década de 1990, o sistema eleitoral denominado voto único não transferível, este mesmo que no Brasil recebeu