Extremistas matam 13 soldados filipinos em violentos combates

Extremistas matam 13 soldados filipinos em violentos combates

Pelo menos 13 soldados filipinos morreram em combates com os extremistas que controlam partes da cidade de Marawi, no sul do país, informou neste sábado uma fonte militar duas semanas após os enfrentamentos.

As tropas filipinas tentam desalojar centenas de combatentes extremistas que entraram em 23 de maio em alguns bairros de Marawi, carregando bandeiras pretas do grupo Estado Islâmico (EI), e que utilizam escudos humanos para defender suas posições.

O tenente coronel Joar Herrera disse que o exército avalia as baixas causadas pelos violentos combates travados, às vezes casa a casa, com os extremistas.

“Temos baixas do lado governamental. Temos 13 mortos, que caíram em ação”, disse Herrera em entrevista coletiva no Marawi.

Os extremistas levaram o caos a essa cidade de 200.000 habitantes, a de maior população muçulmana das Filipinas, um país majoritariamente católico. Os extremistas ocupam cerca de 10% da cidade.

Estas novas vítimas fatais elevam para 58 o número de soldados mortos em ação. Pelo menos 138 extremistas e 20 civis morreram nos combates, segundo fontes governamentais.

Compartilhe
Previous Mega-Sena sorteia prêmio de R$ 3 milhões hoje
Next Tripolar e Samba Mil Graus animam Samba Junino neste domingo na Boca do Rio

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Coronel diz que PEC dos Gastos inviabiliza educação pública brasileira

A PEC do Teto dos Gastos empurra o Brasil para o fosso, na medida que congela por 20 anos os investimentos do país. A Proposta de Emenda Constitucional nº 241,

Mundo

ETA anuncia fim da ‘organização terrorista’

A ETA anunciou a decisão de encerrar o seu “ciclo histórico de 60 anos”. A informação consta de uma carta datada de 16 de abril, a que teve acesso a

Notícias

Ala tucana quer trocar relator de denúncia contra Temer

A cúpula do PSDB entrou em campo para pressionar o deputado tucano Bonifácio de Andrada (MG) a abandonar a relatoria da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer e os