“PSDB apoia e sustentará o governo”, diz ministro Aloysio Nunes

“PSDB apoia e sustentará o governo”, diz ministro Aloysio Nunes

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (1º/6), em Washington, nos Estados Unidos, que seu partido está no governo e tem consciência de seus compromissos. Entre eles, apoiar as reformas em curso. “[O PSDB], na sua linha dominante, é um partido que está no governo, que apoia o governo e que sustentará o governo”, disse.

Nunes também afirmou que há clima político no Brasil para aprovar as mudanças em andamento: “o presidente Temer, mais do que ninguém, tem hoje condições de angariar maioria parlamentar para aprovar as reformas”.

“Todos compreendem que estamos vivendo um momento de turbulência política no Brasil. Isso é inegável. Mas não há turbulência institucional. As instituições funcionam e é isso que conta nas relações externas dos países”, disse o ministro.
Mais cedo, ele se reuniu com o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, que também reiterou que as instituições no Brasil estão funcionando e que os poderes continuam mantendo sua independência.

“Para mim, não me preocupa quando casos de corrupção são julgados. Isso é bom, e é assim que deve ser feito em todos os países. Me preocupa quando os casos de corrupção não são julgados. A Venezuela é o país mais corrupto do continente e é um dos dez países mais corruptos do mundo e não há um só caso julgado de corrupção no sistema político venezuelano”, afirmou Almagro.

O ministro Aloysio Nunes apresentou ao secretário-geral da OEA a possibilidade de que uma missão da organização acompanhe as próximas eleições no Brasil. “Para nós, brasileiros, é uma ocasião a mais de aperfeiçoar aquilo que tem que ser aperfeiçoado e submeter o nosso processo de apuração de votos e de organização das eleições ao escrutínio internacional”, afirmou.

Política externa
Nunes também comentou sobre uma matéria publicada nesta quinta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo e que divulga um estudo que seria publicado hoje pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República e que critica a política externa brasileira, desde o governo Fernando Henrique Cardoso, passando pelos governos Lula e Dilma até o atual governo.

“Evidentemente esse é um estudo de responsabilidade das pessoas que escreveram. A própria apresentação do texto, feita pelo ministro Moreira Franco, diz que [o estudo] não corresponde a uma posição do governo brasileiro” afirmou Aloysio Nunes.

Ele disse que acredita em um equívoco da avaliação e apontou como um dos principais pontos da política externa do governo Temer a mudança de posição com relação aos países do continente americano.

O ministro das Relações Exteriores também comentou a carta divulgada hoje nas redes sociais por funcionários do Itamaraty e que manifesta preocupação com a política brasileira. “Eu acho que a manifestação de funcionários públicos é uma manifestação livre, são cidadãos brasileiros, dizem o que pensam. Eu não faço caça às bruxas no Itamaraty e não farei”

Compartilhe
Previous Rui entrega obras de abastecimento em Rio de Contas: “sem água tratada, não há saúde plena"
Next Promessa de leilão na eólica em 2017 é alento para setor

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Municípios

Irecê: Adolescente mata namorada após suspeita de traição; vítima foi achada em matagal

Uma adolescente de 16 anos foi encontrada morta em um matagal no município de Irecê. O principal suspeito do crime, que foi apreendido, é o namorado da vítima, um adolescente

Política

‘Investigação não quer criminalizar a política’, diz Janot

O procurador-geral da Repúblico, Rodrigo Janot, afirmou neste domingo, 19, em artigo publicado no jornal “Folha de S.Paulo” que as investigações da Operação Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR)

Política

Aldo Rebelo confirma desfiliação do PCdoB

O ex-ministro da Defesa, Ciência e Tecnologia e Esportes Aldo Rebelo se afastou do PCdoB, confirmou nesta quarta-feira, 16, a presidente nacional do partido, Luciana Santos. Em nota, Luciana afirmou