Ricardo Teixeira teria usado Andorra para lavagem de dinheiro

26/05/2010- Brasília - O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, participa de audiência pública na Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados. Foto: José Cruz/ Agência Brasil

Investigações recentes revelam que foi pelo sistema financeiro do principado de Andorra que chegou o dinheiro desviado entre o ex-cartola do Barcelona, Sandro Rosell, e o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira. A suspeita é de que ambos teriam usado a Seleção Brasileira para lavar dinheiro.

Sandro Rosell foi preso na terça-feira (23/5) e nesta quinta (25) será ouvido pelos procuradores em Madri. A rota do dinheiro envolveu Brasil, Catar, contas secretas na Suíça e bancos em Andorra. Por um ano, procuradores espanhóis monitoraram as transações, antes de lançar a operação.

Em 3 de junho de 1998, 5,5 mil pessoas assistiram a um jogo inusitado: campeã do mundo à época, a Seleção enfrentava, no campo do adversário, a modesta seleção de Andorra, criada dois anos antes e que entrou em campo com sete jogadores amadores. A equipe comandada à época por Zagallo se preparava para a Copa do Mundo da França, naquele ano.
A decisão da CBF de levá-la ao principado para enfrentar um time que jamais havia vencido uma partida e nem mesmo arrancado um empate foi bastante criticada. Isso mostrou que não era apenas em campo que a CBF mantinha boa relação com Andorra.

Mas o caso é apenas o mais recente envolvendo o futebol brasileiro e o principado. Andorra e Ricardo Teixeira já estiveram “ligados”. Foi por lá, por exemplo, que passaram os US$ 2,45 milhões (R$ 8 milhões) pagos por Teixeira e João Havelange de multa à Fifa para que caso de corrupção de que foram acusados (fraudar a entidade em R$ 40 milhões pagos em propina pela ISL) fosse arquivado.

A relação de Ricardo Teixeira com o principado não terminou com o caso ISL. Contratos já publicados pelo Estado revelaram como Sandro Rosell transferia para Andorra a renda que obtinha em jogos da seleção brasileira. Em 24 partidas, ele acumulou 8 milhões de euros (cerca R$ 29 milhões).

Em 2012, ano em que deixou a CBF, Ricardo Teixeira oficialmente pediu residência em Andorra, país que não tem acordo de extradição com o Brasil. Para isso, fixou seu endereço em dois povoados (cidades) diferentes.

Os trâmites para convencer as autoridades a atender o pleito do brasileiro foram realizados graças a sócios de Sandro Rosell, entre eles Joan Besoli, preso na última terça-feira.

O ex-presidente da CBF acabaria por obter a permissão para residir em Andorra, mas essa benesse não durou muito tempo.

A publicação em 2013 pelo jornal O Estado de S.Paulo de detalhes sobre o desvio de dinheiro dos amistosos da seleção para bancos do principado levou as autoridades locais a retirar a autorização de residência que havia sido concedida a Ricardo Teixeira.

Compartilhe