Aliados de Temer articulam CPI e projeto contra a JBS

Aliados de Temer articulam CPI e projeto contra a JBS

Líderes da base aliada articulam uma retaliação no Congresso ao frigorífico JBS, cujos donos e executivos incriminaram o presidente Michel Temer em delação premiada. Além da instalação de uma CPI para investigar as operações da empresa no mercado financeiro, o movimento envolve a fiscalização da companhia por outras comissões temáticas do Legislativo e um projeto que obriga delatores a devolverem o dinheiro que lucraram no mercado com ajuda de informações privilegiadas de suas delações.

O projeto obrigando a devolução dos recursos foi apresentado ontem pelo líder da maioria na Câmara, deputado Lelo Coimbra (PMDB-RJ). A proposta estabelece que o delator, parentes ou outra pessoa e empresa a ele associados que obtiverem benefícios financeiros, comerciais, acionários, industriais, imobiliários e cambiais resultantes de informação privilegiada originária da delação terão de devolver integralmente esses lucros, com juros de 2% ao mês e correção monetária.

O projeto prevê também que o delator terá de pagar multa de 50 vezes o valor que lucrou. O dinheiro deverá ser revertido à União para “uso exclusivo” em políticas públicas na área de segurança pública e combate ao crime organizado. Além disso, o colaborador terá de indenizar pessoa ou empresa que eventualmente tenha sido lesada. Se comprovado dolo ou culpa do colaborador, a proposta estabelece ainda que a delação premiada estará “sujeita a revisão” e o delator, condenado a pena de até 15 anos de prisão.

Mercado

Em outra ação de retaliação à JBS, o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), vai propor que a Comissão de Fiscalização e Controle da Casa faça uma fiscalização oficial sobre operações da JBS e de seus donos no mercado.

A proposta também prevê que as sanções cíveis previstas podem retroagir até a publicação da Lei 12.850, de 2 de agosto de 2013, que estabeleceu as regras para acordos de colaboração premiada.

A JBS já é investigada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula e fiscaliza o mercado financeiro, por ter lucrado com a compra de dólar no mercado futuro em valor equivalente a R$ 1 bilhão, horas antes da divulgação das primeiras notícias sobre o acordo de delação da empresa. No dia seguinte, o dólar se valorizou e a empresa teve lucro. A venda de ações na Bolsa pela companhia – antes da delação – também está sendo investigada.

CPI

Desde segunda-feira (22), o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) e o deputado Alexandre Bady (Podemos-GO) estão colhendo assinaturas para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Mista para investigar as operações financeiras da JBS. Para a instalação do colegiado, são necessárias, no mínimo, 27 assinaturas de senadores e 171 de deputados. O número de apoios, no entanto, ainda não foi alcançado.

“Nós precisamos chamar esses irmãos Batista para eles explicarem como foi que, em uma semana, eles lucraram US$ 700 milhões com câmbio e venda de ações. Tinham informações privilegiadas”, disse Oliveira, ao citar os empresários Joesley Batista e Wesley Batista.

Em uma reunião na noite de anteontem, na residência oficial da presidência da Câmara, líderes da base aliada acertaram concentrar as atenções na CPI Mista. O vice-líder do PMDB na Casa e um dos principais defensores do presidente Michel Temer, deputado Carlos Marun (MS), chegou a ensaiar a coleta de assinaturas para uma nova CPI na Câmara para investigar a delação premiada da JBS. A pedido de deputados da base, entretanto, Marun recuou e decidiu apoiar apenas a CPI mista, formada por deputados e senadores.

Compartilhe
Previous Alexandre de Moraes defende uso de delação premiada
Next CCJ retira da pauta votação da PEC das eleições diretas

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Economia

Gastos de brasileiros com viagens ao exterior sobem 34,8% no semestre

A queda do dólar fez os gastos de brasileiros com viagens internacionais voltarem a subir neste ano, depois de terem caído em 2016. Segundo números divulgados nesta sexta-feira (21/7) pelo

Cotidiano

ACM Neto assina convênio com Senai e lança editais de inovação nesta sexta

O município e os empreendedores soteropolitanos terão uma nova parceria a partir desta sexta-feira (14), quando o prefeito ACM Neto assinará, às 9h, um convênio com o Serviço Nacional de

Economia

Crise política não afeta economia, diz Henrique Meirelles

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse hoje (11), durante anúncio de financiamentos ao agronegócio, que a crise observada na política não está afetando a recuperação da economia. “Embora haja