Fachin autoriza abertura de inquérito para investigar Temer

Fachin autoriza abertura de inquérito para investigar Temer

O presidente Michel Temer vai ser formalmente investigado por tentativa de obstrução da Lava Jato. A Procuradoria Geral da República (PGR) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito para investigar Temer e o ministro Edson Fachin acatou.

Caso ele seja denunciado e o STF aceite a denúncia, transformando-o em réu, ele fica suspenso do mandato presidencial.

Pela Constituição, o presidente da República só pode ser investigado por atos cometidos durante o exercício do mandato e com autorização do STF —  os fatos narrados por Joesley Batista na delação teriam sido cometidos em março deste ano, quando Temer já ocupava a Presidência.

Michel Temer chegou na manhã desta quinta-feira (18/5) ao Palácio do Planalto e decidiu suspender toda a sua agenda. A expectativa é que o peemedebista faça um pronunciamento. A operação da Polícia Federal e do Ministério Público Federal contra o senador Aécio Neves (PSDB) atrapalhou os planos do presidente, que no início do dia chegou a informar que manteria os compromissos.

O clima no Planalto segue tenso e auxiliares do presidente admitem que o “momento é delicado”. Nos corredores alguns resistem em falar em renúncia, mas admitem que a possibilidade está no radar. Interlocutores também avaliam que o impacto das acusações causarão rachas na base aliada e comprometerão as reformas do governo.

Histórico
Em uma gravação feita por Joesley Batista, dono da JBS, em março deste ano, o presidente da República, Michel Temer (PMDB), dá o aval para que o silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) seja comprado. As informações são do jornal O Globo.

Segundo a reportagem, o empresário informou a Temer que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada na prisão para ambos ficarem calados. Diante da informação, Temer incentivou: “Tem que manter isso, viu?”. Na conversa, Temer indicou o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F — holding que controla a JBS, maior produtora de carne do mundo. Posteriormente, Loures foi filmado pela Polícia Federal recebendo uma mala com R$ 500 mil enviados por Joesley. O dinheiro seria parte da mesada.

Compartilhe
Previous “População tem que ocupar as ruas e evitar sepultamento da democracia”, afirma Galo
Next PEC que propõe eleições diretas está pautada na Câmara para o dia 23

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Em 2014, Odebrecht esvaziou contas e planejou fuga de executivos

Diante de um iminente confisco de informações e de sua eventual prisão, o empreiteiro Marcelo Odebrecht montou, em meados de 2014, um plano de fuga para os funcionários do departamento

Política 0 comentários

Câmara vai propor anistia de multas a partidos no TSE

Após tentar aprovar a anistia ao caixa 2 em campanhas, a Câmara dos Deputados vai tentar agora emplacar uma anistia financeira aos partidos com débitos pendentes no Tribunal Superior Eleitoral.

Notícias

Tucanos decidem nesta quinta se destituem Bonifácio de Andrada da CCJ

O líder da bancada do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP), deixou para esta quinta-feira (5), a decisão sobre a possível destituição de Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) da Comissão de