“Economia não depende só da Previdência”, diz ex-presidente FHC

“Economia não depende só da Previdência”, diz ex-presidente FHC

A reforma da Previdência é importante, mas sozinha não tem força suficiente para garantir a retomada do crescimento econômico de forma sustentada, que virá também com mais atuação de parceiras público-privadas, afirmou em entrevista o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

E esse passo, acrescentou, dependerá de uma certa “continuidade” do que está sendo feito, referindo-se ao próximo governo que sairá das urnas em 2018. “Houve a invenção de que ou se faz a Previdência ou o Brasil acabou”, afirmou Fernando Henrique, que comandou o Brasil de 1995 a 2002 e é um dos fundadores do PSDB.

A reforma da Previdência, que está sendo analisada pelo Congresso Nacional, tem sido apontada pelo governo Michel Temer e por boa parte dos agentes econômicos como essencial para colocar as contas públicas em ordem e fazer a economia voltar a crescer depois de dois anos de recessão.

O ex-presidente defendeu que a reforma é importante para melhorar o lado fiscal do país e a “confiabilidade” dos investidores junto ao Brasil, e acrescentou que o governo Temer o tem surpreendido positivamente por conseguir colocar temas importantes na pauta. Mas logo emendou que é preciso mais, como parcerias com o setor privado, e investimentos em infraestrutura.

“Eu creio que o governo atual sabe disso”, afirmou. “(Mas) é óbvio que um governo que tem essa origem (após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, sem voto popular), não tem força suficiente para fazer tudo que é necessário. Vamos precisar de uma eleição. Espero que seja possível até o ano que vem organizar as forças políticas.”

A retomada, pontuou o ex-presidente, também depende “de fatores que são controláveis e não controláveis”, e ressaltou que a economia mundial vive um ciclo de expansão, o que ajuda o Brasil a se recuperar. Também defendeu que estão vindo sinais positivos no agronegócio.

“A safra deste ano vai ser de 220 milhões de toneladas. Quando eu era presidente, nós comemoramos quando chegamos a 100 milhões de toneladas”, afirmou.O ex-presidente também enxerga uma via de crescimento econômico por meio dos investimentos em infraestrutura, mas isso só deve se confirmar se os investidores confiarem na economia brasileira.

Compartilhe
Previous Equilíbrio fiscal é o que vai permitir políticas sociais, diz Aloysio Nunes
Next Comissão de Direitos Humanos debate abordagem policial em Juazeiro

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Notícias

Moreira Franco rebate e diz que Joesley tem ‘desenvoltura e ousadia em mentir’

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, divulgou nota neste sábado, 17, rebatendo as acusações do empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F. Em entrevista à Revista

Política 0 comentários

Celso de Mello diz que decide até sexta sobre nomeação de Moreira Franco

Em meio a uma guerra de liminares, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse nesta quinta-feira, 9, que decidirá “no máximo” até esta sexta-feira, 10, sobre

Política

Rindo à toa! Vereador de Salvador deve assumir Secretaria Nacional no governo Temer

O vereador de Salvador Paulo Câmara(PSDB), deve assumir no mês de maio, a Secretaria Nacional de Assuntos Federativos. Apesar de uma fonte em Brasília, ligada ao  Classe Política, afirmar que