Temer avisa que não vai ceder em reformas trabalhista e previdenciária

Temer avisa que não vai ceder em reformas trabalhista e previdenciária

Em reunião no Palácio do Jaburu na noite deste domingo (23/4) com ministros e líderes da base aliada, o presidente Michel Temer disse que não haverá novas mudanças nos textos das reformas trabalhista e previdenciária. “Não há espaço para concessão”, avisou o líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)

O encontro durou três horas e serviu para a definição da estratégia final para a votação das duas reformas. Segundo o líder da maioria na Câmara, deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), Temer disse que o governo considera os relatórios das reformas como produto final das negociações. A ordem, explicou Lelo, é começar as conversas finais com as bancadas e captar o sentimento dos deputados.

Nesta segunda-feira (24), Temer vai se reunir com os ministros que têm influência na Câmara para pedir que eles se envolvam diretamente nas conversas com os deputados. O presidente também pedirá que os ministros não agendem mais reuniões com os parlamentares em horário de votações importantes na Câmara.

Além de Aguinaldo e Lelo, participaram da reunião no Jaburu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE), e os ministros Antonio Imbassahy (Governo), Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência) e Henrique Meirelles (Fazenda).

Meirelles fez uma apresentação sobre a reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), realizada em Washington na semana passada, e destacou que a economia brasileira já dá sinais positivos. Segundo o ministro, as reformas vão consolidar os avanços dos últimos meses.

Lelo explicou que a reunião foi para fazer um “ajuste de procedimentos”, deixar claro que não haverá novas concessões nas propostas e envolver toda a base na reta final das votações das reformas. “Estamos no aquecimento da base. A base estava um pouco solta”, disse o peemedebista.

A reforma trabalhista deve ser votada na terça-feira (25) na comissão especial sobre o tema e ir para o plenário no dia seguinte.

Compartilhe
Previous Senado deve votar projeto de abuso de autoridade na CCJ esta semana
Next Jovem mata a namorada e comete suicídio em Senhor do Bonfim

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Aliados de Temer questionam Fachin sobre delação da JBS e Lava Jato

Em conversa com integrantes do Judiciário, interlocutores do governo passaram a questionar a competência do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), para conduzir as investigações relativas às delações

Política

Câmara pagou passagens aéreas de até R$ 45 mil para deputados

A Câmara dos Deputados já pagou até R$ 45,5 mil por um bilhete aéreo de ida e volta para uma viagem oficial neste mandato. Levantamento com dados obtidos por meio

Política

Moreira Franco diz que delação foi “encomenda remunerada” de Janot

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, utilizou sua conta no Twitter, neste domingo (15/10), para criticar a delação premiada do operador financeiro Lúcio Funaro e desqualificar o ex-procurador