Marcos Valério, condenado no mensalão, pega mais 18 anos de prisão

Marcos Valério, condenado no mensalão, pega mais 18 anos de prisão

A Justiça Federal no Rio condenou o empresário Marcos Valério, emblemático personagem do mensalão, a 18 anos e nove meses de prisão por crimes de corrupção ativa e formação de quadrilha. A sentença é do juiz Vitor Barbosa Valpuesta, da 3.ª Vara Federal do Rio.

Segundo acusação do Ministério Público Federal, Marcos Valério teria repassado propinas ao procurador da Fazenda Glenio Sabbag Guedes – condenado na mesma ação a 22 anos de prisão. Também foram condenados dois ex-sócios de Valério, Rogério Lanza Toletino e José Roberto Moreira de Melo.

Marcos Valério já está condenado a 37 anos de prisão no processo do mensalão – escândalo que abalou o primeiro governo Lula.

Nesta ação penal que pegou 18 anos de prisão, o empresário – que está preso desde novembro de 2013 – é acusado de ter pago ao procurador um total de R$ 3,6 milhões, em valores atualizados, entre 2003 e 2005. Os pagamentos foram identificados na CPI dos Correios, que deu origem ao escândalo do mensalão.

Tolentino pegou 22 anos e sete meses de cadeia. Moreira de Melo, 14 anos e sete meses.

O juiz condenou o grupo ao regime fechado, mas permitiu a todos que recorram em liberdade.

Todos os condenados vão recorrer ao Tribunal Regional Federal da 2.ª Região. Eles negam a prática de ilícitos.

Compartilhe
Previous Alba lança nova marca e exalta unidade do presidente Coronel
Next Após protesto, idade para aposentadoria de policiais deve cair para 55

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Álvaro Dias participa de encontro do Podemos em Itabuna

Para fazer frente ao novo cenário nacional e atender às expectativas dos brasileiros e também dos baianos, o Podemos Bahia organizou um calendário de ações para discutir a nova política.

Notícias

Senado gasta mais de R$ 5 mil por dia para fazer jornalzinho da Casa

A edição dessa sexta-feira (18/5) do Jornal do Senado teve oito páginas. Na capa do informativo, destaque para o trabalho da Comissão que analisa a criação do Ministério da Segurança

Política 0 comentários

STF nega pedido de Cunha para suspender prisão preventiva

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou contrariamente ao pedido de liberdade feito pelo deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).  O placar ficou em 8 votos a um.