Padilha defende nova fonte de financiamento para a Previdência

Padilha defende nova fonte de financiamento para a Previdência

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse hoje (15) à comissão especial da Câmara que analisa a reforma da Previdência que, mesmo se as mudanças propostas forem aprovadas, o setor vai precisar de uma nova fonte de financiamento a partir de 2026.

Segundo Padilha, novos recursos serão necessários para não “estrangular” investimentos na área social.

O ministro participou nesta quarta-feira da primeira audiência pública da comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287, da reforma da Previdência. Por cerca de meia hora, Padilha fez uma apresentação da proposta aos deputados e mostrou dados sobre o déficit da previdência, ajuste fiscal e a necessidade da reforma no setor.

Após a apresentação do ministro da Casa Civil, o secretário nacional da Previdência, Marcelo Caetano, fez um pronunciamento e passou a responder perguntas dos deputados que integram a comissão.

Compartilhe
Previous CCJ aprova projeto que simplifica atos administrativos da União
Next Trump diz que solução de dois Estados não é a única para palestinos e israelense

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Angelo Coronel conquista regulamentação de lei que garante mais recursos para obra social de Irmã Dulce

A Assembleia Legislativa da Bahia – ALBA – aprovou ontem (20.06) projeto de lei que libera a locação de um terreno doado à Associação Obras Sociais Irmã Dulce (Osid). A

Política 0 comentários

Renan quer trazer Sérgio Moro para debater abuso de autoridade no Senado

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), quer trazer o juiz Sérgio Moro, que coordena os processos da Operação Lava-Jato, para debater o projeto de abuso de autoridade no Congresso.

Política 0 comentários

Investigado pela Lava Jato, Edison Lobão é indicado para presidir CCJ

A bancada do PMDB no Senado indicou nesta quarta-feira (8/2) o senador Edison Lobão (MA) para a presidência da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, informou a assessoria

0 Comentários

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar essa notícia!

Deixe uma resposta