E logo na 1ª entrevista coletiva, Trump bate boca com repórter

E logo na 1ª entrevista coletiva, Trump bate boca com repórter

Donald fez um estreia digna de Trump. Nesta quarta-feira, em Nova York, logo na primeira entrevista coletiva depois de ter sido eleito presidente dos Estados Unidos, o republicano bateu boca com um jornalista da CNN. Trump acusou a emissora de o perseguir e não fazer direito o trabalho jornalístico ao divulgar o relatório de inteligência indicando que a Rússia teria materiais comprometedores contra o presidente eleito. Jim Acosta, jornalista da rede, tomou a palavra e, gritando, disse que sua emissora estava sendo atacada e ele exigia seu direito de resposta. Trump mandou-o se comportar.

No final da entrevista, Trump ainda fez uma piada referindo-se ao seu antigo programa de TV, “O Aprendiz”: “Você está despedido”, disse o presidente eleito ao jornalista. Trump disse também que acredita que a Rússia possa estar por trás de ciberataques contra os Estados Unidos. O republicano anunciou ainda que entregará a gerência de suas empresas para os filhos, Donald Jr. e Eric Trump, para evitar conflitos de interesse.

Hackers russos — “Eu acho que foi a Rússia, mas acho que também somos hackeados por outros países, outras pessoas”, disse o republicano, mudando sua posição anterior em relação aos ataques, que resultaram na invasão de servidores do Partido Democrata. Segundo Trump, porém, os vazamentos poderiam ter sido evitados por melhores sistemas de segurança do partido.

Relação com Putin — Questionado sobre sua relação com o presidente russo, Trump respondeu: “Eu não sei se vou me dar bem com Vladimir Putin. Eu gostaria, mas não sei”. “Vocês honestamente acreditam que Hillary seria mais dura com Putin do que eu? Alguém realmente acredita nisso?”, acrescentou.

Obamacare — Sobre o Obamacare, o programa de saúde implantado por Obama, ele voltou a falar que o projeto “é um desastre total”, que “aumentou em até 100% os gastos com a saúde em alguns estados”. A informação, no entanto, não é real.  “A Lei de Acesso à Saúde (conhecida como Obamacare) elevou em 20 milhões de adultos e 3 milhões de crianças o número de americanos que contam com cobertura de saúde. Os custos da saúde também vêm crescendo muito mais devagar, desde que a lei entrou em vigor, se comparados às tendências americanas anteriores à sua aprovação”, escreve o colunista do Financial Times, Martin Wolf.

Negócios — O bilionário revelou, durante a coletiva em Nova York, que seus filhos serão “completamente responsáveis” pelo gerenciamento de seus negócios, mantendo o presidente eleito afastado de qualquer decisão. “Eu poderia gerenciar meus negócios e um país ao mesmo tempo. Eu faria um bom trabalho, mas não quero fazer isso”, comentou. Trump acrescentou que sua filha, Ivanka Trump, não terá nenhum cargo no governo.. Seu marido, Jared Kushner, será um assessor sênior na Casa Branca. “Ivanka se dedicará a adaptar sua família a Washington”, informou.

De acordo com o magnata, um conselheiro de ética também será designado para ajudar seus filhos na empresa, e qualquer acordo doméstico que possa representar um conflito de interesse terá de ser submetido a sua aprovação. Negócios internacionais, porém, não serão aprovados enquanto Trump estiver na Presidência.

Compartilhe
Previous Petrobras não precisa considerar inflação para definir preço do combustível
Next Temer diz que objetivo do governo é levar inflação para o centro da meta em 2017

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Rússia ajudou Trump a vencer eleições, diz CIA

A agência de inteligência CIA, dos EUA, concluiu ontem (9) que a Rússia interveio na eleição presidencial norte-americana de 2016 para ajudar o candidato republicano, Donald Trump, a alcançar a

Notícias

Primeiro comandante do ônibus espacial, astronauta John Young morre aos 87 anos

O astronauta norte-americano John Young, que caminhou na Lua em uma de suas seis missões no espaço, morreu aos 87 anos, disse a Nasa neste sábado (6). Young, ex-piloto de

Mundo

Congresso da Argentina aprova reforma da Previdência

O Congresso da Argentina aprovou hoje (19) a proposta de reforma da Previdência que tem como objetivo reduzir o déficit fiscal. Houve um longo debate e violentos confrontos entre manifestantes

0 Comentários

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar essa notícia!

Deixe uma resposta