Fifa pode unir Eliminatórias das Américas do Sul e do Norte, e Caribe

Fifa pode unir Eliminatórias das Américas do Sul e do Norte, e Caribe

A provável ampliação da Copa do Mundo para 48 seleções começa a causar um terremoto em todo o futebol internacional. Temendo uma queda dramática no interesse pelas Eliminatórias Sul-Americanas, a Fifa estuda a possibilidade de unir o torneio com as Eliminatórias da Concacaf.

Na terça-feira (10/1), em Zurique, a Fifa votará a maior expansão do torneio em seus quase cem anos, passando de 32 times para 48. Ninguém esconde que a motivação seja financeira. Com novas seleções, a entidade teria uma renda elevada em mais de US$ 600 milhões, 35% acima do que obteve na Copa de 2014 no Brasil.

Mas o impacto seria mundial. Na América do Sul, a previsão é de que a região ganharia sete vagas. Mas com apenas dez seleções no continente, o risco é de que as Eliminatórias, que hoje duram dois anos, perdessem o interesse de patrocinadores, da audiência e das TVs. Na prática, apenas três seleções não se classificariam.

O resultado financeiro poderia, portanto, ser negativo. Em 2016, apenas em bilheteria, a CBF obteve mais de R$ 35 milhões com os jogos da seleção nas Eliminatórias. Por dois anos, é o valor pago pelas televisões que praticamente garantem os resultados da entidade.

Na Concacaf, as Eliminatórias também são as “galinhas dos ovos de ouro” para muitas federações. Mas elas passaram a ser alvo da polícia dos EUA desde 2015, quando dirigentes foram presos por cobrar propinas para dar às televisões direitos de transmitir os jogos da qualificação regional para a Copa do Mundo.

Com essa receita ameaçada em ambas as regiões, uma das opções avaliadas pela Fifa é a de unir as Eliminatórias da Conmebol com as da Concacaf.

Assim, de 46 países, 14 se qualificariam. A taxa seria parecida com o que ocorre hoje na Europa, onde 53 seleções lutam por 13 vagas. O Brasil, portanto, teria de viajar por todo o continente e a luta por um lugar na Copa voltaria a ser atraente, principalmente com TVs de vários países investindo em receber o time brasileiro, Argentina, Chile, Uruguai e outras seleções com tradição.

Mas se essa proposta poderia ajudar as finanças das principais federações sul-americanas, ela enfrenta resistência principalmente das seleções centro-americanas e do Caribe. Com a expansão da Copa para 48 times, muitas nutriam a esperança de que uma vaga finalmente fosse alcançada. Com a unificação e tendo de jogar contra os sul-americanos, a realidade poderia ser diferente.

Compartilhe
Previous Primeiro episódio do The Voice Kids emociona jurados e público
Next Ministério da Justiça anuncia ajuda a estados em crise penitenciária

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Mundo

Após Messi, EI usa Neymar para ameaçar Copa do Mundo de 2018

Após divulgar uma foto de Messi para alertar sobre um possível ataque terrorista à Copa do Mundo na Rússia, que ocorre em 2018, um grupo ligado ao Estado Islâmico divulgou

Esportes

Seleção Brasileira volta a ocupar 1º lugar no ranking da Fifa após 7 anos

A Fifa (Federação Internacional de Futebol) divulgou nesta quinta-feira (6) seu ranking e revelou que a Seleção Brasileira está de volta à primeira colocação, após sete anos de ausência no

Municípios

Cidade Tricolor : Esporte Clube Bahia e prefeitura de Camaçari reforçam parceria

A reunião contou com as presenças do secretário de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Sergio Vilalva, e do secretário de Esportes, Lazer e Juventude (Sejuv), Rui Magno. Com o novo centro de

0 Comentários

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar essa notícia!

Deixe uma resposta