Governo deve liberar R$ 7 bi para o Congresso

Governo deve liberar R$ 7 bi para o Congresso

A um dia do fim do ano, o governo tenta agradar a sua base aliada no Congresso e vai anunciar a liberação de emendas parlamentares. Interlocutores do presidente Michel Temer disseram à reportagem que o total a ser anunciado nesta quinta-feira, 29, será de R$ 7,29 bilhões. Deste total, R$ 6,45 bilhões correspondem a emendas impositivas e restos a pagar desde 2007 e outros R$ 840 milhões àquelas de bancada.

Os valores foram fechados nesta quarta-feira, 28, mas podem sofrer alterações. As emendas são consideradas fundamentais na relação do Palácio do Planalto com o Congresso e, historicamente, o governo usa esse pagamento para facilitar a aprovação de projetos de seu interesse.

Embora tenha registrado taxa recorde de governismo na Câmara, com deputados seguindo orientação do Planalto em 88% das votações nominais, conforme levantamento do Estadão Dados, Temer sofreu alguns reveses no Congresso nos últimos dias. O presidente decidiu acelerar o desembolso de verbas num momento em que vai precisar da base unida para votações importantes, como a reforma da Previdência.

A tentativa de criar uma agenda positiva ocorre após Temer vetar a decisão da Câmara de derrubar as contrapartidas que Estados precisam cumprir para a recuperação fiscal, no projeto de renegociação das dívidas. Naquela ocasião, o Planalto sofreu uma derrota. Dias antes, o governo havia conseguido aprovar no Senado a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos, mas obteve oito votos a menos em relação à primeira votação. Em público, no entanto, o Planalto não admite problemas com a base aliada.

Desde o ano passado, uma emenda constitucional tornou obrigatória a execução da maior parte das emendas individuais, mas há uma fatia em que a liberação fica a critério do governo. Todas as emendas que serão pagas precisam ser inscritas no Orçamento do ano subsequente, o que provoca uma peregrinação de parlamentares ao Planalto e a ministérios nos últimos dias do ano. O prazo final para inscrição é sempre 31 de dezembro.

Bondades

Além da liberação das emendas, o governo anunciará hoje outras medidas, em uma espécie de “pacote de bondades”. O Diário Oficial da União deve trazer a sanção do projeto que institui cotas nas universidades para deficientes, da lei sobre vigilância sanitária e também sobre o controle de medicamentos. Em conversa com aliados, ontem, Temer disse que o governo conseguirá pagar, ainda, dívidas atrasadas com fornecedores.

O porta-voz Alexandre Parola será o encarregado de transmitir as ações do presidente neste fim de ano. Em conversas reservadas, ministros argumentam que todo o cuidado com a base aliada é pouco neste momento de agravamento da crise política e delações premiadas, no âmbito da Operação Lava Jato. Foi para não comprar briga com o Centrão – grupo na Câmara que reúne 13 partidos e cerca de 200 deputados – que Temer adiou o anúncio do novo ministro da Secretaria de Governo.

No início do mês, o presidente havia convidado o líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), para a vaga antes ocupada por Geddel Vieira Lima – que caiu no rastro de denúncias de tráfico de influência na compra de um imóvel em Salvador.

O Centrão interpretou o gesto como uma manobra para ajudar a reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na disputa que ocorrerá em fevereiro de 2017. Para evitar uma rebelião na base, Temer adiou a escolha.

Compartilhe
Previous Salvador já teve 37 monumentos históricos restaurados desde 2013
Next Diplomata que contrariou Dilma é promovido

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

Governo defende aplicação de condução coercitiva em ação no STF

A Advocacia-Geral da União (AGU), em nome do presidente Michel Temer, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) informações em defesa da utilização da condução coercitiva, um instrumento jurídico que tem

Notícias

Miller recebeu R$ 449 mil de escritório do caso JBS, diz relatório da CPMI

O ex-procurador Marcello Miller recebeu aproximadamente R$ 449 mil do escritório de advocacia Trench, Rossi e Watanabe Advogados, responsável pelo acordo de leniência da J&F, apenas três meses depois de

Política

Partido Novo quer devolver ao Tesouro R$ 3 milhões do Fundo Partidário

O Partido Novo tem R$ 3 milhões acumulados em uma conta no Banco do Brasil para devolver aos cofres públicos. Desde 2015, quando a legenda foi reconhecida pelo Tribunal Superior

0 Comentários

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar essa notícia!

Deixe uma resposta