Em último discurso como presidente do Senado, Renan critica Ministério Público

Em último discurso como presidente do Senado, Renan critica Ministério Público

Na última sessão deliberativa do ano e também a última conduzida por ele na Presidência do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), discursou aos colegas para informar sobre a decisão do ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal, de devolver a denúncia apresentada contra ele pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Eu queria, no momento em que me despeço dos senadores, dizer que estou há nove anos sob devassa intensa e sob investigação. Há nove anos que os meus sigilos foram todos entregues à Procuradoria-Geral da República, à Receita Federal, à Polícia Federal”, disse. “Eu não temo absolutamente nada. A minha vida foi e continua sendo devassada. Eu não tenho nenhum problema na minha vida pública e nem na minha vida pessoal”, disse.

Renan voltou a criticar a atuação do Ministério Público que, segundo ele, vem agindo politicamente contra o Congresso Nacional. “Contra o Congresso Nacional pediram tudo, absolutamente tudo, quiseram tudo. Desde a invasão do Congresso, passando pela prisão da Polícia Legislativa, até o pedido de prisão do presidente do Congresso Nacional porque estaria obstruindo a Operação Lava Jato”, pontuou Renan.

Na opinião do presidente, tal atuação tem sido motivada pelo fato de os senadores terem rejeitado nomes indicados para comporem o Conselho Nacional do Ministério Público. “Como todos sabem, este Senado Federal, por motivos diferentes, rejeitou três nomes de ilustres membros do Ministério Público na Operação Lava Jato: Nicolau Dino, Vladimir Aras e Wellington Saraiva. Então, cada decisão que eles pedem contra senador, cada constrangimento, cada busca e apreensão que fazem com a cobertura da imprensa, isso precisa ser melhor observado. Porque, de fato em fato, de abuso em abuso como este, eles estão construindo uma névoa no país que não fará bem à nossa democracia”.

Renan também voltou a dizer que o MP tem perdido a condição de fiscal da lei por não manter a isenção. Mais cedo, ele retirou de pauta e remeteu à Comissão de Constituição e Justiça do Senado o projeto de lei que trata do abuso de autoridade, porque o plenário estava disposto a aprovar um requerimento para a retirada da urgência do projeto. A matéria era defendida por Renan, que acusa o Ministério Público de agir com excessos e vinha sendo motivo de embates com membros do Judiciário.

Compartilhe
Previous Senado aprova projeto para revogar decisão da Anac sobre bagagens
Next Câmara deve votar renegociação da dívida dos Estados nesta quinta-feira

Sobre o Autor

Você pode gostar também

Política

ACM Neto diz que dialoga com todo mundo, mas nega intervir politicamente na Assembleia; assista

Durante evento de assinatura do contrato de financiamento de US$ 105 milhões entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento(BID) e a Prefeitura de Salvador, através do Programa Nacional de Desenvolvimento do

Notícias

Inspirado na operação Lava-Jato, aplicativo monitora gastos e ações de políticos

Em meio a tantas denúncias e escândalos de corrupção que ocorrem no país há anos – envolvendo de vereadores ao presidente da República –, um grupo de estudantes decidiu criar

Política

Voos de Funaro coincidem com datas de repasses a Geddel, afirma PF

O relatório da Polícia Federal sobre o “Quadrilhão do PMDB” na Câmara dos Deputados, que embasou denúncia do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, apresenta capítulo sobre pagamentos de propinas à

0 Comentários

Ainda não há comentários

Você pode ser o primeiro a comentar essa notícia!

Deixe uma resposta